//
archives

empresas

This category contains 58 posts

Túlipa Doce. Dono da Jerónimo Martins “emigra” para a Holanda


A sociedade Francisco Manuel dos Santos, maior accionista da Jerónimo Martins, anunciou ontem que “no passado dia 30 de Dezembro de 2011” passou a sua participação de 56,136% no capital da Jerónimo Martins para a Sociedade Francisco Manuel dos Santos BV, sedeada na Holanda.

Com esta mudança, a família do segundo homem mais rico de Portugal, Alexandre Soares dos Santos, consegue beneficiar de um quadro fiscal menos agressivo, evitando um maior contributo para as contas públicas, e pelo segundo ano consecutivo – em 2010, tanto a Jerónimo Martins, como a Portugal Telecom e a Portucel anteciparam o pagamento de dividendos para evitar as regras que entraram em vigor em 2011. Na altura, Teixeira dos Santos, então ministro das Finanças, chegou a acusar a Portugal Telecom de “querer fugir aos impostos”.

Em causa está o fim da excepção decretada pelo Orçamento do Estado para 2011, que fez com que também os dividendos recebidos pelas SGPS passassem a pagar obrigatoriamente impostos, caso não tivessem origem em ganhos já sujeitos a “tributação efectiva” – como as mais-valias, por exemplo. A expressão “tributação efectiva”, contudo, levantou muitas dúvidas a fiscalistas.

Por essa razão, em Outubro do ano passado o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, emitiu uma circular a propósito destas novas regras, onde explicava que por “tributação efectiva” deve entender-se rendimentos que “provenham de lucros que tenham suportado IRC, ou outro imposto sobre os lucros idêntico ou análogo”. Apesar da circular, e para João Espanha, fiscalista, o novo enquadramento não evita por completo a hipótese de ocorrer uma dupla tributação – primeiro ao lucro da subsidiária, depois ao dividendo recebido pela SGPS. “Já com o parqueamento da posição na Holanda, não haverá esse problema”, disse ao i.

Mas a forte aposta da Jerónimo Martins nos mercados fora da Europa também estará na origem da opção ontem anunciada – a dona do Pingo Doce tem a Colômbia como novo alvo. Ao contrário do que acontece em Portugal, os eventuais lucros que a Sociedade Francisco Manuel dos Santos BV vier a receber pela operação da Jerónimo Martins fora da Europa, também irão evitar um cenário de dupla tributação com a mudança para a Holanda.

O grupo Jerónimo Martins preferiu não fazer qualquer comentário a esta mudança na Sociedade Francisco Manuel dos Santos, referindo que “não comenta operações dos accionistas” e detalhando em declarações ao “Dinheiro Vivo” que estas são “operações com impacto nulo para a empresa”.

In Jornal i online

Por Filipe Paiva Cardoso, publicado em 3 Jan 2012 – 03:10

Vida fica mais cara a 1 de Janeiro


Subidas: Impostos agravam-se e fazem disparar as contas das famílias

A conta do supermercado vai pesar no orçamento familiar

Poupar será palavra de ordem em 2012, já que o orçamento não estica e os produtos e serviços vão ficar mais caros. No próximo ano, o aumento dos impostos vai fazer-se sentir fortemente no bolso dos portugueses.

A factura da luz já subiu em Outubro, mas volta a aumentar. Em média, uma conta mensal de 50 euros sofre um agravamento de 1,75 euros. E se for ao supermercado, prepare-se para o engordar do recibo e o encolher do carrinho. Produtos como as batatas pré-fritas, os refrigerantes ou a água engarrafada vêem o IVA subir de 6% para 13%. E o café, compotas, margarinas, óleos e produtos congelados, entre outros, vêem o IVA crescer da taxa intermédia (13%) para a máxima (23%). O pão também subirá, influenciado pelo preço das matérias-primas, mas não se sabe quanto.

Nos transportes, as tarifas também crescem, mas os novos preços só são fixados em Fevereiro. Já falar ao telemóvel ou enviar um SMS também sairá mais caro, pois as comunicações vão aumentar 3,1%.

Na habitação, a situação piora para quem é arrendatário, já que os aumentos situam-se em 3,2% para as rendas actuais e até 5% para as antigas.

E até vícios como fumar ou beber uma cerveja não escapam ao Fisco: o tabaco sobe 4,6% e as bebidas alcoólicas 2,3%. A bica sobe entre cinco e dez cêntimos. Pelo contrário, para minimizar prejuízos, o sector leiteiro e o da restauração vão absorver os aumentos para não perderem clientes.

RESTAURAÇÃO TENTA MANTER PREÇOS

Os empresários da restauração prometem suportar parte do aumento do IVA para evitar perder clientes. “Na maioria dos casos não haverá repercussão nos preços na totalidade porque o poder de compra dos portugueses já é muito baixo”, diz à Lusa Mário Gonçalves, da AHRESP. Além da subida do IVA na restauração para 23%, os empresários somam os aumentos nos produtos alimentares, electricidade, água e gás, entre outros. Os cafés, bares e restaurantes podem cobrar os novos preços, mesmo com os produtos comprados em 2011.

VAI SER MAIS CARO IR À BOLA

Actividades desportivas como o futebol passam da taxa mínima para a máxima de 23%.

Os bilhetes que comprar ainda hoje para um jogo em 2012 têm uma taxa de IVA ainda de 6%. Para não perderem público, os clubes podem ter de baixar a margem de lucro, para tentar manter o preço dos bilhetes.

PORTAGENS SOBEM 4,36%

Circular nas auto-estradas do País vai ser mais caro a partir deste domingo, com aumento médio das tarifas de 4,36 por cento, valor tomado por referência à inflação homóloga – sem habitação – de Outubro. Acresce que os portugueses começaram também a pagar portagens nas ex-Scut.

In Correio da Manhã online
31/12/2011

Bica deve custar mais cinco a dez cêntimos


Aumentos em 2012

Consumidores vão ser duplamente penalizados: a indústria vai vender mais caro ao comércio e os comerciantes vão vender mais caro aos clientes

A tradicional bica, que hoje custa, em média, 60 cêntimos, pode ficar cinco a dez cêntimos mais cara em 2012, reflectindo no consumidor um duplo efeito da subida da taxa de IVA do produto e na restauração.

Maria José Barbosa, presidente da Associação Industrial e Comercial do Café (AICC), ressalva que esta “é uma opinião pessoal”, pois serão sempre os cafés e restaurantes a fixarem os seus preços, mas considera que a bica terá de subir, cinco cêntimos, no mínimo, ou dez cêntimos no máximo.

“Pode haver casas que sacrifiquem as suas margens comerciais e suportem este aumento, mas julgo que serão situações muito excepcionais”, adiantou à Lusa.

Os consumidores vão ser duplamente penalizados: a indústria vai vender mais caro ao comércio e os comerciantes vão vender mais caro aos clientes. Isto porque o café é um dos produtos que viu ser alterada a taxa de IVA de 13 para 23 por cento, aumento igual ao que foi fixado para os serviços de restauração,

Os industriais do café encaram as subidas com preocupação, até porque o canal HORECA (hotéis, restaurantes e cafés), representa cerca de 80 por cento das vendas de café.

“A indústria de torrefacção adivinha um ano péssimo, com a perda do rendimento disponível das famílias e a recessão que está prevista. Se tivermos uma diminuição de vendas considerável vai ser difícil mantermos os mesmos postos de trabalho”, declarou Maria José Barbosa.

In Correio da Manhã online
23/12/2011 | 13h15

[aviso] – Outra situação idêntica à da subida do pão! Já há vários anos que bebo a bica em casa. Tinha o “vício” de fazer esse “ritual” no café, mas consegui ultrapassá-lo (ao vício e ao ritual), comprei uma máquina Nespresso e caso arrumado. Faz agora um ano comprei uma máquina de café com marca própria, num supermercado de uma cadeia alimentar (publicidade tem de ser PAGA) por menos de 50 euros e cada bica (ao meu gosto e em ordem aos vários tipos de café à escolha) que fica por apenas 20 cêntimos cada! Agora façam as contas ao que os cafés, pastelarias, restaurantes e similares têm de lucro, sabendo que compram café aos quilos e que o produto final lhes fica por meia tusta…! Esta do aumento do IVA é apenas falácia para, em conjunto com a fuga ao fisco por não passarem facturas aos clientes (e estes também não as pedirem), continuarem a poder a encher a pança porque os empregados, esses coitados, têm salários de merda!

EU NÃO VOU SER PENALIZADO POR ESTA GATUNAGEM…!!!

[/aviso]

E os burros somos nós!!!???

Preço do pão sobe em 2012


Para compensar subida do IVA

A indústria de panificação adianta que o pão e os bolos vão ficar mais caros em 2012

A indústria de panificação adianta que o pão e os bolos vão ficar mais caros em 2012, para minimizar o impacto das quebras de 30 a 45 por cento no consumo e da subida do IVA na restauração.

Sem adiantar valores, a secretária-geral da Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares (ACIP), Graça Calisto admite que o aumento vai ser incontornável, mas recusa falar de aumentos.

“Não se pode falar de subida do preço, porque uma subida implica que os industriais tivessem lucro. Trata-se apenas de não ter prejuízos e de acomodar a subida do IVA na restauração de 13 para 23 por cento”, declarou.

A responsável da ACIP sublinhou que esta indústria está muito associada a negócios de restauração, acrescentando que os cafés e pastelarias estão também a sofrer os efeitos da crise.

“Há uns tempos atrás, entendemos que não era altura de fazer um aumento. Neste momento, devido à retracção do consumo, que ronda 30 a 35 por cento na padaria e 40 a 45 por cento na pastelaria, entendo que terá de haver correcções nos preços de alguns produtos”, justificou.

O aumento do IVA na restauração foi “o descalabro”. “Antes, um bolo consumido na loja era taxado a 13 por cento, agora vai ser a 23 por cento”, observou Graça Calisto, adiantando que “há casas a fechar” e “vai haver mais gente no desemprego”.

Em Setembro, a ACIP rejeitava a subida do preço do pão, apesar do preço dos cereais ter disparado 76 por cento. Graça Calisto referiu, na altura, que os industriais da panificação, por estavam “solidários neste tempo de crise e as pessoas não tinham dinheiro no bolso”.

»»»» comentários do online:

– Pff., digam o que se mantém ou o que desce…é que é mt. mais fácil!

– esta noticia é realmente triste. pk o pão è o alimento dos pobres, não entendo como o pão em Portugal è mais caro k aki na suíça algo se passa, i não deve ser só por causa do IVA , já antes era caro , não entendo ….

– aumento do pão , é tirar aos mais pobres , isso não se faz . bandidos , assassinos , revolcao . esta a precisar este pais

– Pelo andar da carruagem, em breve não restará ao povo sequer pão e circo.



In Correio da Manhã online

23/12/2011 | 11h54

[aviso] – Querem acabar de vez com esta GANDULAGEM que nos anda a ROUBAR a torto e a direito, sem olhar a quem? Façam como eu que há dois anos comprei uma MÁQUINA DE FAZER PÃO (e agora até estão mais baratas), farinha e água e pão feito em casa, quentinho e na altura… Verão que esses GATUNOS têm de dar a volta se não quiserem falir por falta de clientela… Eles só aprendem pela via da FORÇA que é o mesmo o que nos estão a fazer!
O maior problema é que este povo, pacóvio até dizer chega, prefere ser enrabado à má fila e deixar correr a onda em vez de tomar atitudes dignas desse nome… [/aviso]

E os burros somos nós!!!???

Reformas do Governo “incomodam interesses instalados”


O ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira, disse hoje que as reformas em que o Governo está a trabalhar “incomodam muitos interesses instalados”.

“É verdade que muitas das reformas económicas que é preciso implementar incomodam essencialmente os interesses instalados. Só que não há alternativa às reformas na lei laboral, nos licenciamentos, nas rendas e na justiça”, afirmou.

Álvaro Santos Pereira falava hoje em Felgueiras na cerimónia de apresentação da Agenda Regional para a Empregabilidade do Tâmega e Sousa.

O ministro insistiu que “todas estas reformas muitas vezes incomodam, mas são essenciais para a competitividade da economia portuguesa”.

“São essenciais para o crescimento económico”, sublinhou, defendendo que o caminho que o Governo está a trilhar é o que o país precisa.

“Estamos perfeitamente conscientes que, se continuarmos o caminho que tem sido travado nos últimos meses, se assegurarmos o caminho da consolidação orçamental, se levarmos a cabo as reformas que nós precisamos, temos a perfeita consciência que iremos vencer”, disse.

O ministro destacou, a propósito, que nas próximas semanas será apreciada pelo Conselho de Ministros a nova Lei da Concorrência, a qual, explicou, irá tornar “os processos ligados às questões da concorrência mais transparentes”.

“Será uma lei que aproximará Portugal dos parâmetros europeus com uma economia mais aberta e concorrencial”, considerou Álvaro Santos Pereira.

»»»» comentários do jornal online:

– Deixem-se de cegadas e acabem de vez com a economia escondida. Nem mais um pagamento por baixo da mesa!

– Trabalho 10 a 11 horas/dia há mais de 15 anos. Levo trabalho para casa para o fim de semana e muitas vezes durante as férias. E ainda acham que tenho que trabalhar mais? Isto só pode vir de gente que nunca fez nada na vida a não ser dar umas aulas numa faculdade manhosa com almoços de “trabalho” de 3 horas …

– O sujeito que diz ser Ministro da Economia, não passa dum capo da propaganda, chefe do desemprego e impulsionador monetarista. Como esse bastardo não sabe de história económica, ou parece não saber, importa lhe dizer, que o sagrado E.U.A. que ele tanto se aninha, aquando da Grande Depressão também tentou e com um fracasso colossal o tipo de Política Orçamental/Fiscal que esse bacano idolatra. O ilustre país, só saiu da recessão massiva quando adoptou medidas precisamente opostas (keynesianas) ao que esse desatinado se aninha!

– Para que os Cidadãos acreditem num porvir mais humanizado e democrático, +e absolutamente necessária uma Lei ou seja o que seja, que LIMITE as vergonhosas REFORMAS POLITICAS. desta classe que se decadencia…sem vergonha e sem sensatêz…

– OS APOIOS SOCIAIS QUE OS POBRES E CLASSE MÉDIA TINHA, É A ISSO QUE CHAMAS INTERESSES INSTALADOS? NÃO CONHEÇO A TUA MÃE, RAZÃO PORQUE NÃO TE CHAMO GRANDE FILHO DA PUTA!

– E para moralizar ainda mais os cidadãos de Portugal, senhor ministro, acabem com o “aborto” desse acordo ortográfico.

– Não devia deixar-se entrar no eterno discurso da quezília que durante tanto tempo foi praticado pelo político de borra português, senhor ministro. Deixe lá isso, senhor ministro, aproveitem a crise para evoluírem mentalmente, foquem-se no que é fundamental e esqueçam o acessório. Só assim poderão levar o barco a bom porto. Depois, tirem para já daí as ideias de alguma vez irem receber grande aplauso pelo que está a ser feito em Portugal, porque toda a gente sabe que quem está a mandar em Portugal é a troika. Poupem os cidadãos a esse vexame, por favor. Continuem a navegar em “low profile” que é o que vos fica melhor. Não vai mal não senhor, mas não comecem já a estragar. No que respeita aos feriados, senhor ministro, eu se fosse ministro nas actuais circunstâncias nem sequer lhes mexia, pois não são o fundamental da produtividade do país. Aliás um país minimamente produtivo pode muito bem aguentar com eles. Não mexer neles é mostrar o mínimo de respeito pelos cidadãos deste país, é uma espécie de reboçado para quem tem de passar os próximos anos a enfrentar depressão e crise, e a aguentar com tudo isso depois do desfalque que os políticos e banqueiros e etc. deram nas finanças públicas. Há que manter o ânimo do povo pelo menos à tona de água, pelo que devia não mexer nos feriados.

– ENTÃO ESTE CROMO NÃO PARA DE DAR TIROS NOS PRÓPRIOS PÉS? FALA DE INTERESSES INSTALADOS MAS NÃO É DE LEVAR A SÉRIO, TAMBÉM O TEMOS QUE DESCULPAR POIS É CAPAZ DE COM A PRÓXIMIDADE DO NATAL ESTAR MAL DISPOSTO: ENTÃO OS INTERESSES INSTALADOS DO PSD NÃO HAVIAM. OLHE HAVIAM E ALGUNS NÃO FORAM NADA SÉRIOS, POR ISSO DEVIAM SER INSTALADOS NOS HOTÉIS DE GRADEAMENTO, FALO DO OLIVEIRA E COSTA DO ISALTINO, DO DIAS LOUREIRO E DO QUE FOI DAR UMA CONSULTA AO BRASIL À AMIGA DO FEITERA. FORA OUTROS MAIS QUE POR AÍ ANDAM. MAS NÃO SE ABORREÇA QUANDO CHEGAREM OS JULGAMENTOS NÃO HÁ PROVAS CNCLUDENTES, VEM TUDO PARA A RUA COM O RÓTULO DE BONS RAPAZES. E OS INTERESSES PESSOALMENTE INCOMODAM – ME POR ESTAVAM ESTÃO E IRÃO SEMPRE ESTAR COM OS GOVERNOS DO BAILE MANDADO. GOVERNAS TU DEPOIS GOVERNO EU.

– OH CARO ALVARO—————————–OS INTRESSES DO GRANDE CAPITAL E TUDO O QUE ENVOLVE————————–TAMBEM———– ————-HÁ MUITO QUE ESTAO INSTALADOS————————MAS PARA ESSAS ———————instalaçoes—————– –PARECE QUE AS—————— PALAS————————TOLDAM-LHE UMA VISAO MAIS———–PERIFERICA !

In Destak online
21 | 12 | 2011 20.32H
Destak/Lusa | destak@destak.pt

[aviso] – Dado que me encontro a cerca de NOVE DIAS (9), de encerrar este Blogue, deixarei de inserir as minhas notas nos artigos publicados. Em contrapartida, serão inseridos os comentários dos leitores dos respectivos órgãos de comunicação social, sempre que se justifique matéria para isso.[/aviso]

Meia hora de trabalho a mais só se aplica a trabalhadores do privado


O aumento do período normal de trabalho em mais meia hora por dia só vai abranger os trabalhadores do sector privado, deixando de fora os funcionários do Estado, que enfrentam o corte nos subsídios de férias e Natal.

No entanto, e apesar de os patrões poderem aumentar os horários diários em meia hora, de acordo com a proposta do Governo entregue na quarta-feira no Parlamento, não são abrangidos menores, grávidas, trabalhadores com capacidade de trabalho reduzida, deficiência ou doença crónica e estudantes.

À luz da proposta do Executivo, que vigorará durante o período de assistência financeira e já foi contestada pelas centrais sindicais e até pelas confederações patronais, o horário pode aumentar 30 minutos por dia e duas horas e meia por semana (até oito horas e meia por dia e 42 horas e meia por semana), mas este acréscimo incide «sobre o período normal acordado».

Ficam também assegurados os limites de tempo de trabalho da lei laboral, refere o documento, segundo o qual «apenas por acordo entre patrão e trabalhador, quando seja favorável ao interesse deste ou se justifique pelas condições particulares de trabalho», a meia hora pode acumular durante quatro semanas e ser usada na semana seguinte, fora do dia de descanso obrigatório.

De salientar que quem trabalha em regime de banco de horas ou de adaptabilidade também é abrangido pelo aumento do horário, mas os limites legais não podem ser ultrapassados. No caso da isenção de horário, fica de fora apenas quem não está sujeito a limites máximos de tempo de trabalho.

A proposta refere também que os regimes legais que já prevêem um horário inferior não poderão aumentar ao ponto de ultrapassar esse limite, isto é, a meia hora só pode aplicar-se, nestes casos, a pessoas que trabalhem abaixo do limite especial (e sem o ultrapassar).

O aumento da meia hora só pode ser usado em empresas sem destruição líquida de emprego, estando estas obrigadas a respeitar o que a lei já prevê em matéria de alteração de horários.

Esta matéria deveria ter sido discutida no dia 22 de Dezembro, em sede de concertação social, mas o Governo decidiu aprovar a proposta em Conselho de ministros e enviá-la ao Parlamento na quarta-feira.

Patrões e sindicatos insurgiram-se e acusam o Governo de fugir ao diálogo e de não dar margem para negociação.

A UGT e CGTP acusaram o Executivo de «impor o trabalho forçado» e reiteraram a recusa a qualquer acordo tripartido relativamente a esta matéria.

Contudo, a proposta do Executivo tem levantado dúvidas devido à possibilidade de as empresas contratarem trabalhadores a prazo depois de tomarem medidas de despedimento colectivo ou de extinção do posto de trabalho.

Na quinta-feira, o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros afirmou que o Governo está disponível para «melhorar a redacção» da norma «anti-abuso» para evitar que o aumento do horário de trabalho leve as empresas a fazer despedimentos.

Em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, Marques Guedes reiterou que a proposta de lei que permite o aumento do horário de trabalho em meia hora diária inclui uma norma «anti-abuso», que impede as empresas de aproveitarem esta medida para fazerem «destruição líquida de emprego», mas ressalvou que isso não significa suspender «a vida normal das relações laborais».

A norma «anti-abuso» não se aplica, por isso, à redução do número de postos de trabalho decorrente de rescisões por mútuo acordo, da aposentação ou morte dos trabalhadores e do despedimento por justa causa, que «é sindicável pelos tribunais» acrescentou Marques Guedes.

«Não é uma cláusula anti-despedimento, é uma cláusula anti-abuso», salientou.

«Por se tratar de uma cláusula anti-abuso, existe, obviamente toda a abertura da parte do Governo em, se for caso disso, melhorar a redacção dessa norma, exactamente para ela poder preencher os objectivos a que se propõe. E, de resto, isso mesmo será obviamente, não tenho dúvidas, referido pelo senhor ministro da Economia e do Emprego quando fizer a respectiva apresentação e debate do diploma na Assembleia», adiantou o secretário de Estado.

In Jornal SOL online
Lusa/SOL
17 de Dezembro, 2011

Comportamento do Governo visa humilhar trabalhadores


CGTP e UGT

Fotografia © Lionel Balteiro / Global Imagens

A CGTP e UGT acusaram hoje o Governo de ter um comportamento “ignóbil” por ter enviado ao Parlamento a proposta de lei sobre o aumento da meia hora de trabalho diário, sem comunicar às confederações sindicais e patronais.

Esta tarde, numa reunião conjunta das duas centrais sindicais, na sede da CGTP, em Lisboa, esteve em discussão “aquilo que se consubstancia na proposta de lei que o Governo apresentou à Assembleia da República e cuja discussão pública, de uma forma provocatória e sendo uma tentativa clara de dar sinais de humilhação dos trabalhadores, vai estar em discussão pública no período de Natal e Ano Novo, até 19 de Janeiro”, afirmou Carvalho da Silva. Em conferência de imprensa, o secretário-geral da Intersindical considerou que “esta é uma posição inaceitável e ignóbil, que tenta humilhar quem trabalha, é uma ausência total de sensibilidade e de sentido de responsabilidade do Governo, mas acima de tudo o problema são os conteúdos concretos da proposta”.

Carvalho da Silva reforçou que se trata de “uma proposta de imposição de trabalho forçado, que parte de argumentos mentirosos no que diz respeito aos objectivos e impactos que isto tem sobre o emprego”. Referiu ainda que a proposta do aumento do tempo de trabalho “se sustenta numa falácia absoluta no que diz respeito aos argumentos económicos”. O secretário-geral da UGT, João Proença, afirmou, por seu turno, que a posição da central está em linha com a defendida pela Intersindical e enfatizou: “A proposta está de tal modo mal elaborada que tem de ser alterada na Assembleia da República”. João Proença condenou ainda o Executivo pelo facto de, “sem dar conhecimento aos parceiros sociais, avançar unilateralmente com a aprovação de uma proposta de lei que nunca foi discutida com os parceiros sociais e está totalmente fora do quadro da concertação social”.

A proposta de lei que “estabelece um aumento excepcional e temporário dos períodos normais de trabalho de trinta minutos ou de duas horas e trinta minutos por semana” foi aprovada a 07 de Dezembro em Conselho de Ministros, uma medida que o Governo afirma ser aplicável durante a vigência do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal. Uma semana depois, ou seja, na quarta-feira, a proposta deu entrada no Parlamento, antes da discussão previamente agendada com os parceiros sociais para 22 de dezembro, em sede de concertação social. De acordo com a proposta do Governo, o horário de trabalho será aumentado em meia hora por dia e em duas horas e meia por semana “sem acréscimo de retribuição”. A medida aplica-se a todos os trabalhadores do setor privando e deixa de fora os trabalhadores de empresas públicas, bem como aos que são afetados pelos cortes salariais do Estado.

In Diário de Notícias online
16/12/2011
por Lusa

[aviso]  – O que ainda me admira, é que estes gajos ainda não se convenceram que estamos piores que no tempo do Estado Novo e da União Nacional… [/aviso]

“Está-se perante políticas que criam país de mão estendida”


Subsídio de desemprego

Fotografia © Pedro Rocha / Global Imagens

A CGTP manifestou-se hoje totalmente contra as alterações propostas na atribuição do subsídio de desemprego e acusou o Governo de um comportamento “sem paralelo”, aplicando uma “política impositiva”.

“A negociação não existe e quanto ao comportamento do Governo não há paralelo com qualquer outro Governo no que diz respeito a uma política impositiva e ponto final”, afirmou o secretário-geral da CGTP, Manuel Carvalho da Silva.

Após mais de duas horas de reunião com o ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, no ministério, em Lisboa, Carvalho da Silva considerou que as propostas de alteração ao subsídio de desemprego conduzem a “políticas de um violento empobrecimento e de uma diminuição da protecção social que é muito perigosa”.

“É pegar no memorando da ‘troika’ e afirmando, na linguagem de qualquer Governo de um país sob ocupação, ‘isto é o que temos de fazer e ainda queremos ser mais eficazes'”, disse.

Segundo o líder da Intersindical, “não há espaço a nenhum conteúdo alternativo” e está-se “perante políticas que vão criar um país de mão estendida”.

O sindicalista foi ainda mais crítico, argumentando que “do ponto de vista político há aqui uma certa loucura”, pois a CGTP não acredita “que a miséria seja boa conselheira”.

Relativamente à redução do tempo de vigência desta protecção social – de três anos para ano e meio -, bem como da redução do valor mensal do subsídio de desemprego, Carvalho da Silva alertou para o facto de “a maioria dos desempregados em Portugal, mais de metade, não terem subsídio algum”.

“A governação de ocupação a que estamos sujeitos conduz para grandes situações de miséria e quando ouvimos alguns dos membros do Governo estamos perante a argumentação de um Governo de um país que está sob ocupação”, disse.

“Parte da imposição provém de quem nos está a ocupar e, em nome disso, cortam sem dó nem piedade nas condições das pessoas”, acrescentou.

As alterações ao subsídio de desemprego são uma obrigação do Estado português nos termos do memorando de entendimento assinado com a ‘troika’ (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional) e deverão entrar em vigor já em 2012.

De acordo com a proposta, que Mota Soares agora apresenta aos parceiros sociais e que será levada à reunião de concertação social, na próxima semana, prevê-se que o período máximo de atribuição desta prestação social seja, no máximo, de 18 meses, quando actualmente pode chegar aos três anos para os trabalhadores mais velhos e com carreiras contributivas mais longas.

Também o tecto máximo de atribuição do subsídio será revisto em baixa, passando dos actuais 1.257,66 euros para os 1.048,05 euros.

O valor desta prestação será igualmente reduzido uma vez que, prevê o executivo, caso um desempregado esteja sem trabalho seis meses depois de começar a receber subsídio, terá um corte de 10 por cento no valor da prestação mensal.

O Governo quer ainda criar esquemas de protecção social para uma categoria específica de trabalhadores, os pequenos e médios comerciantes, pequenos e médios agricultores e pequenos e médios empresários.

In Diário de Notícias online
15/12/2011
por Lusa

Então macacada...???

Taxa de desemprego sobe para 12,9% em Portugal


Segundo dados da OCDE

Portugal sofreu em Outubro a segunda maior subida da taxa de desemprego (0,6%), só superado por Espanha (2,3%)

A taxa de desemprego estimada pela OCDE para Portugal subiu para os 12,9 por cento em Outubro, acima da média dos países da zona euro, que atingiu um novo máximo ao subir para os 10,3 por cento.

Em termos homólogos, de acordo com os dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Portugal sofreu em Outubro a segunda maior subida da taxa de desemprego (0,6%), a seguir a Espanha (com 2,3%).

Em Setembro, a taxa de desemprego em Portugal tinha subido 0,2 pontos percentuais para 12,8 por cento.

Portugal mantém-se, assim, com a quarta taxa de desemprego mais elevada dentro da organização que congrega 34 países de todo o mundo.

Para os países com dados disponíveis em Outubro, só Espanha (22,8 por cento), Irlanda (14,3 por cento) e Eslováquia (13,6 por cento) se encontravam com taxas de desemprego superiores a Portugal. As taxas mais baixas, por sua vez, encontram-se na Coreia (3,1 por cento), Áustria (4,1 por cento) e Luxemburgo (4,7 por cento). De acordo com os dados hoje disponibilizados, a taxa de desemprego na média dos países da OCDE subiu também dos 8,2 por cento de Setembro para os 8,3 por cento em Outubro.

Em relação às sete maiores economias da organização (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), a taxa de desemprego passou dos 7,6 por cento de Setembro para os 7,7 por cento de Outubro.

Segundo as estimativas da OCDE, em Outubro, havia 45,1 milhões de pessoas desempregadas na região, menos 1,5 milhões em comparação com o mesmo mês de 2010, mas superior em 14,1 milhões de pessoas face a Outubro de 2007.

In Correio da Manhã online
13/12/2011 | 12h07

[aviso] – Nada de anormal, pá! Os pobres (miseráveis) já não têm mais cinto para fazerem furos, os pançudos do regime estão cada vez mais gordos à custa dos miseráveis e assim se vai vivendo neste pequeno (em tudo) quintal à beira mar plantado… [/aviso]

Então macacada...???

Maquinistas paralisam por considerararem que há processos disciplinares ilegais


CP: Greve no Natal e Ano Novo

Comboios da CP vão paralisar no período do Natal

Os maquinistas da CP vão fazer greve a 23, 24 e 25 deste mês, no dia 1 de Janeiro e nas horas extraordinárias até final do próximo mês, alegando que a administração está realizar processos disciplinares ilegais.

O sindicato decidiu marcar esta greve porque a administração da CP “ao arrepio do acordo assinado, em que sanava todo o conflito e criava as condições para a paz social na empresa, desencadeou de forma absurda, sem justificação e de forma ilegal procedimentos disciplinares”, disse esta sexta-feira à agência Lusa o presidente do sindicato, António Medeiros.

In Correio da Manhã online
09/12/2011 | 09h02
Por:João Saramago

Orçamento de Estado foi aprovado com a abstenção do PS


Parlamento

As bancadas da maioria aprovaram o Orçamento do Estado para 2012, com os cinco deputados da Madeira a alinhar no voto favorável, mas entregando declarações de voto (quatro do PSD, um do CDS).

No PS ninguém se levantou para declarar a intenção de entregar declarações de voto, à excepção de Carlos Zorrinho, líder parlamentar, que anunciou uma da bancada (a oficial). Deve ainda haver pelo menos mais uma de José Lello, que já o confirmou esta manhã à TSF.

O Parlamento repetiu a votação do Orçamento para as Grandes Opções do Plano (GOP) e o texto final da comissão de Orçamento e Finanças relativo à lei de enquadramento orçamental.

O diploma segue agora para Belém e, segundo a Constituição, após a sua receção o Presidente da República tem 20 dias para decidir sobre a sua promulgação.

Ainda de acordo com a Constituição, a apreciação preventiva da constitucionalidade pode ser requerida pelo chefe de Estado ao Tribunal Constitucional no prazo de oito dias.

In Diário de Notícias online
por David Dinis / Lusa
30/11/2011

Corpo de Intervenção da PSP “impediu” com força física a acção dos piquetes (actuali.)


Greve Geral

Foto: LUSA

O Corpo de Intervenção da PSP interveio “usando a força” em “todas as estações da Carris” para impedir os piquetes de greve que queriam “ajudar” os trabalhadores a “cumprir o direito à greve”, acusou hoje um dirigente sindical.

À Lusa, Manuel Leal, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP), afirmou que a administração da empresa enviou uma circular sobre serviços mínimos, em que ameaçava de despedimento quem fizesse greve.

“Na notificação dos serviços mínimos, a empresa ameaçou os trabalhadores que não cumprissem com processos e ameaçaram com despedimentos. Os trabalhadores ficaram extremamente indignados”, relatou.

Manuel Leal explicou que os piquetes tentaram “ajudar os trabalhadores que queriam fazer greve, mas estavam a ser obrigados a furá-la”.

“Os piquetes tentaram que os trabalhadores cumprissem a sua intenção e direito de aderir à greve e a polícia de intervenção usou da força física e impediu a acção pacífica e regulada nos termos da lei”, criticou.

Para o dirigente da STRUP, os piquetes não protagonizaram qualquer alteração da ordem pública.

Manuel Leal informou ainda que a administração da Carris violou o acórdão do tribunal arbitral acerca dos serviços mínimos: 50 por cento de circulação em 13 carreiras.

“Podemos dizer com segurança, que o Conselho de Administração colocou mais autocarros do que eram impostos. Ainda não sabemos a totalidade, mas em algumas carreira era muito visível que se tinha excedido em muito os 50 por cento”, afirmou.

A adesão dos trabalhadores da Carris à greve geral de hoje, segundo o sindicalista, é pela defesa dos postos de trabalho e pelo “direito à mobilidade” que estará em causa se for aprovado o relatório do grupo de trabalho nomeado pelo Governo.

Também João Proença, secretário-geral da União Geral de Trabalhadores (UGT), a empresa “não tem direito a utilizar nenhum trabalhador afecto aos serviços mínimos tendo trabalhadores disponíveis para fazer o trabalho”, acrescentando que se no total se “ultrapassou 50 por cento das 13 carreiras, a empresa cometeu uma violação grave do direito à greve”.

Pela parte da Carris, fonte da empresa afirmou à Lusa que de momento não serão feitos comentários à paralisação.

A greve geral convocada para hoje em Portugal pela CGTP e UGT, para protestar contra as medidas de austeridade decretadas pelo governo, está a “registar forte adesão”, de acordo com informações transmitidas pelas duas centrais sindicais.

Nos grandes centros urbanos como Lisboa e Porto, autocarros e metropolitanos estão praticamente paralisados, havendo também fortes constrangimentos nas ligações ferroviárias a nível do país. A TAP cancelou mais de uma centena de voos.

A greve geral de hoje foi convocada pela CGTP e UGT para contestar as recentes medidas de austeridade do Governo, nomeadamente os cortes nos subsídios de férias e de Natal dos funcionários e pensionistas do sector público.

In Destak online
24 | 11 | 2011 13.28H
Destak/Lusa | destak@destak.pt

[aviso] – O direito à Greve encontra-se institucionalizado na Constituição da República Portuguesa. Qualquer acção, seja ela de que índole for, contra uma Greve, é ILEGAL, de cariz fascista e merece o repúdio de quem ainda possui raízes democráticas. Se querem acabar com a Constituição (e não são poucos), façam-no no lugar próprio. Enviar a Polícia de Choque para travar piquetes de greve, são acções dignas de um Estado Novo, fascista, ditatorial. Portugal anda, desde há muitos anos, mascarado de “democrata”. E ainda há gente que nem deu por isso…[/aviso]

IRS castiga subsídio de refeição


Proposta dos deputados do PSD e CDS agrava carga fiscal sobre o subsídio de refeição dos empregados por conta de outrem.

O “Correio da Manhã” escreve que o subsídio de refeição, pago pelas entidades patronais aos seus empregados, vai sofrer mais tributação em IRS. Os deputados da maioria (PSD e CDS-PP) vão mais longe do que o Governo e querem que todos os trabalhadores dependentes, que recebam uma ajuda à alimentação superior a 5,124 euros, paguem mais impostos.

A iniciativa dos dosi partidos estabelece uma penalização, em sede de IRS, dos subsídios de alimentação que excedam em 20% o limite legal estabelecido. Este ano, esse limite situava-se nos 6,41 euros, isto é, 50% acima do valor pago na Função Pública (4,27 euros). Na proposta de Orçamento do Governo o objectivo era penalizar todos os subsídios de refeição acima dos 5,55 euros por dia.

In Diário de Notícias online
23/11/2011

[aviso] – Para ajudar o gajo de Vancouver (ministro da Economia/Álvaro Santos Pereira) a ter direito a receber subsídio de alojamento, aqui está mais uma para ajudar a engorda destes BASTARDOS! Aumento do IRS nos subsídios de refeição! Toma e não pies! Os deputados fascistas ultrapassaram o governo e este, por sua vez, ultrapassa a troika! E digam lá que este quintal à beira mar plantado não é um país admirável, cheio de Sol, boas temperaturas (quase a chegar ao Inverno…)??? [/aviso]

 

Então macacada...???

PSD e CDS querem subir ainda mais IRS nos subsídios de refeição


Impostos

Os subsídios de refeição que os contribuintes recebem vão ser ainda mais penalizados em IRS em 2012.

A intenção está patente numa proposta de alteração ao Orçamento para o próximo ano apresentada ontem pelo PSD e CDS.

A proposta de Orçamento do Estado para 2012 (OE2012) já previa um agravamento fiscal nestas situações, agora, a proposta da maioria parlamentar – que tem aprovação garantida – vai um pouco mais longe.

Actualmente, o subsídio de refeição é considerado rendimento para efeitos de IRS, mas apenas na parte em que ultrapassa “em 50% o limite legal estabelecido [6,41 euros em 2011], ou em 70% sempre que o respectivo subsídio seja atribuído através de vales de refeição”.

Segundo a proposta de OE2012, esta situação iria ser alterada e, na prática, o Governo fazia descer o limite a partir do qual havia lugar a tributação propondo que fosse considerado rendimento “o subsídio de refeição na parte em que exceder em 30% o limite legal estabelecido, ou em 60% sempre que o respectivo subsídio seja atribuído através de vales de refeição”.

Agora, o PSD e o CDS defendem que essa tributação aconteça sempre que o subsídio exceda “em 20% o limite legal estabelecido”, mantendo o limite de 60% para os subsídios atribuídos através de vales refeição.

Na proposta agora apresentada, os partidos da maioria parlamentar sublinham que pretendem com a mesma “dar estrito cumprimento dos compromissos assumidos pelo Estado Português ao abrigo do Plano de Assistência Económica e Financeira no que respeita à tributação do rendimento pessoal, bem como restringir as possibilidades de utilização abusiva do subsídio de alimentação como forma de remuneração desvirtuando o propósito da sua menor tributação da sua concessão e combater a fraude e evasão fiscais de forma mais (N.W.-texto não publicado na íntegra)

In Jornal Económico online
Económico com Lusa
22/11/11 11:20

Então macacada...???

Recessão mais profunda em 2012


Finanças: Debate na especialidade do Orçamento do Estado

Vítor Gaspar deixou ontem claro que a margem de negociação do Orçamento é reduzida

A economia vai resvalar mais do que o previsto em 2012 e a recessão irá agravar-se para 3%, acima dos 2,8% inicialmente estimados pelo Governo. Este novo cenário foi ontem reconhecido pelo ministro das Finanças, Vítor Gaspar, no Parlamento, durante o debate na especialidade do Orçamento do Estado.

Apesar do agravamento das condições económicas, o governante disse ainda que este ano o PIB deverá cair apenas 1,6%, e não 1,9% como estimava o Executivo. As duas alterações serviram de justificação a Vítor Gaspar para desvalorizar o impacto das medidas de austeridade na actividade económica. “Dado que os ajustes são da mesma ordem de grandeza e de sinal contrário, o efeito nas previsões macroeconómicas que integram o Orçamento é muito pequeno”, sublinhou o ministro.

Vítor Gaspar fez ainda questão de deixar claro ao PS que “para discutir alterações [às medidas de austeridade] é necessário que a diminuição de receitas seja compensada pela diminuição de despesa ou pelo aumento de receita”. E lembrou que a regra de corte de 2/3 na despesa do Estado e 1/3 do lado da receita “é ponto de honra e importante para os parceiros internacionais que seja respeitada”.

Aos funcionários públicos, que juntamente com os pensionistas vão sofrer cortes nos subsídios de férias e Natal do próximo ano, Vítor Gaspar teceu rasgados elogios ao empenho que permitiu ao País passar na avaliação da troika.

Hoje, o PS apresenta propostas de alteração ao Orçamento que contemplam, além da devolução de um subsídio aos trabalhadores do Estado e reformados, um aumento em 5% sobre o IRS de montantes superiores a 500 mil euros. Na direita, PSD e CDS preparavam ontem propostas conjuntas.

A execução orçamental de Outubro, cuja divulgação estava prevista para ontem a meio da tarde, foi atrasada em virtude do debate parlamentar .

GOVERNO RECUA NA ALTERAÇÃO DAS TABELAS SALARIAIS

O Governo recuou na intenção de alterar as tabelas salariais dos funcionários públicos. Depois de na sexta-feira o secretário de Estado Hélder Rosalino ter anunciado que o Governo iria “preparar, até ao final de 2012, uma revisão dos escalões salariais do sector público”, fonte oficial do Ministério das Finanças assegurou ontem que “o Governo não tem intenção de mexer nas tabelas salariais da Função Pública” e que “não haverá cortes” nem “mexidas nas tabelas”.

In Correio da Manhã online
22/11/2011 | 01h00
Por:Diana Ramos/ Cristina Rita

[aviso]  – A cara da INCOMPETÊNIA…!!! R U A…!!! [/aviso]

E os burros somos nós?!

Então macacada...???

Passos Coelho pede aos portugueses que não deixem de acreditar


Numa mensagem no seu mural do Facebook, o primeiro-ministro apela aos sacrifícios e diz que este é o momento de “reescrever o futuro dos nossos filhos”.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, dirigiu-se hoje aos portugueses no Facebook, respondendo muito especialmente a uma mensagem no seu mural de uma portuguesa que já só “toma um banho por semana”, mas que, ainda assim, não consegue equilibrar as suas finanças.

Passos Coelho não dá soluções a Ana Isabel Albergaria. Ou melhor, responde-lhe com um outro post, de Richard Warrell, morador em Oeiras e filho de mãe portuguesa. Chegará?

O chefe de governo começa por dizer que o seu mural do Facebook tem recebido milhares de mensagens, vindo de portugueses de todo o mundo, sendo-lhe impossível acompanhar todos eles. No entanto, a sua equipa faz-lhe chegar muitos desses “posts” e é com base em dois testemunhos que Passos Coelho escreveu uma resposta.

“Desde que anunciei, no dia 13 de Outubro, as medidas mais duras do Orçamento de Estado para 2012, muitas têm sido as mensagens de frustração ou desespero que li nesta página. Mensagens como a da Ana Isabel Albergaria”, diz o primeiro-ministro.

E o que dizia Ana Isabel? “Exmo sr. primeiro-ministro. Votei no senhor e ainda acredito que está a fazer o melhor que pode e sabe. Preciso muito da sua ajuda. É sobre o meu orçamento familiar. Até aqui o ordenado nunca chegava ao fim do mês. Era com os subsídios de natal e férias que eu conseguia equilibrar as finanças, pagar seguros, contribuições, IRS ou outra despesa extraordinária, como um par de óculos. Já cortei tudo… (…) Tomo banho só uma vez por semana, só acendo uma lâmpada, dispensei a mulher-a-dias, só saio no carro em casos extremos. Não sei mais onde cortar e o dinheiro não chega. Por favor diga-me o que hei-de fazer para poder continuar a pagar as obrigações ao Estado. Estou desesperada. Agradeço que me ajude e dê sugestões de como equilibrar as minhas finanças”.

Passos Coelho responde-lhe: “Como a Ana Isabel, muitos de vocês estão assustados com o desafio que temos de enfrentar. Mas acredito também que, por mais que estes sacrifícios nos custem, sabemos hoje que não podemos mais fechar os olhos aos erros do passado. O momento de rescrever o futuro dos nossos filhos é agora e eu acredito que vamos consegui-lo”.

E prossegue: “Felizmente tenho descoberto também nesta plataforma que muitos são os Portugueses que acreditam. Homens e mulheres inspiradores que não baixam os braços. E usando as palavras de um deles – um redactor de Oeiras chamado Richard Warrell, filho de mãe portuguesa, que escreveu ‘Chega. Chegou a minha hora. Vou acordar todos os dias e vou pensar no que vou fazer hoje para que amanhã seja melhor. Vou gastar menos em coisas supérfluas e mostrar aos meus filhos que é assim que deve ser. Vou educá-los de maneira a não caírem nos mesmos erros da minha geração e das anteriores. Esse será o meu legado e o melhor que todos podemos fazer. Estamos a desperdiçar o presente. Asseguremos o futuro. Por mim, o fim acaba aqui. Este barco não vai ao fundo'”.

É recorrendo à mensagem de Richard Warrell que Passos Coelho espera que Ana Isabel consiga “dar a volta por cima”. “À Ana Isabel, ao Richard e a todos os que aqui escrevem diariamente peço que não deixem de acreditar”, apela.

“As dificuldades existem e têm de ser enfrentadas. Mas vale a pena enfrentá-las e ganhar força para as ultrapassar. Trata-se também de uma oportunidade para fazermos as coisas de modo diferente para futuro. Estaremos não apenas a corrigir erros do passado mas sobretudo a construir uma perspectiva de futuro bem mais digna para os nossos filhos e para nós próprios”, conclui o primeiro-ministro no seu mural no Facebook, acrescentando que “Juntos, com trabalho, vamos conseguir”.

Uma hora depois de colocar o seu “post”, Pedro Passos Coelho tinha 782 “likes” e 287 comentários. Uns de total apoio, outros mais inflamados.

In Jornal de Negócios online
21 Novembro 2011 | 18:44
Carla Pedro – cpedro@negocios.pt

[aviso] – ALDRABÃO! Como se pode acreditar num completo ALDRABÃO? Ou já te esqueceste do que disseste quando derrubaste o Sócas e o que fizeste logo ganhaste o pote? Os teus filhos têm o futuro assegurado, os meus nem tanto com as políticas que tu e TODOS os teus antecessores têm tido ao longo dos últimos 30 anos! Andas a ROUBAR os pobres para encheres a pança aos da tua laia! O povo até pode ser sereno, mas olha que a serenidade acaba quando a fome chegar e essa já não tarda pelo caminho que isto está a levar! [/aviso]

E para os que ainda continuam a acreditar neste ALDRABÃO, mentindo com quantos dentes tem na boca e escrevendo estas completas FALSIDADES no “seu” Facebook, para enganar papalvo, aqui ficam as TUAS PALAVRAS, aquelas que dizias, com toda a “convicção” aos Portugueses a fim de conseguires o tão almejado POTE! EU não me esqueci, pá!

– …”Estas medidas põem o país a pão e água. Não se põe um país a pão e água por precaução.”

– …”Estamos disponíveis para soluções positivas, não para penhorar futuro tapando com impostos o que não se corta na despesa.”

– …”Aceitarei reduções nas deduções no dia em que o Governo anunciar que vai reduzir a carga fiscal às famílias.”

– …”Sabemos hoje que o Governo fez de conta. Disse que ia cortar e não cortou.”

– …”Nas despesas correntes do Estado, há 10% a 15% de despesas que podem ser reduzidas.”

– …”O pior que pode acontecer a Portugal neste momento é que todas as situações financeiras não venham para cima da mesa.”

– …”Aqueles que são responsáveis pelo resvalar da despesa têm de ser civil e criminalmente responsáveis pelos seus actos.”

– …”Vamos ter de cortar em gorduras e de poupar. O Estado vai ter de fazer austeridade, basta de aplicá-la só aos cidadãos.”

– …”Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Os que têm mais terão que ajudar os que têm menos.”

– …”Queremos transferir parte dos sacrifícios que se exigem às famílias e às empresas para o Estado.”

– …”Já estamos fartos de um Governo que nunca sabe o que diz e nunca sabe o que assina em nome de Portugal.”

– …”O Governo está-se a refugiar em desculpas para não dizer como é que tenciona concretizar a baixa da TSU com que se comprometeu no memorando.”

– …”Para salvaguardar a coesão social prefiro onerar escalões mais elevados de IRS de modo a desonerar a classe média e baixa.”

– …”Se vier a ser necessário algum ajustamento fiscal, será canalizado para o consumo e não para o rendimento das pessoas.”

– …”Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português.”

– …”A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento.”

– …”A pior coisa é ter um Governo fraco. Um Governo mais forte imporá menos sacrifícios aos contribuintes e aos cidadãos.”

– …”Não aceitaremos chantagens de estabilidade, não aceitamos o clima emocional de que quem não está caladinho não é patriota”

– …”O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento.”

– …”Já ouvi o primeiro-ministro dizer que o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e é um disparate.”

– …”Como é possível manter um governo em que um primeiro-ministro mente?”
Conta do Twitter de Passos Coelho (@passoscoelho), iniciada a 6 de Março de 2010. Os tuites aqui transcritos foram publicados entre Março de 2010 e Junho de 2011 (Esta nota final foi rectificada às 19.30 de sexta-feira, 2 de Setembro) Artigo Parcial Citações de Passos Coelho antes das eleições… Comparem o que disse com o que está a fazer!!

Chegam, ou queres ainda o vídeo para não dizerem que são falsas estas tuas declarações? Aqui vai o teu “Best of 2010-2011”:

e a análise correctíssima do Miguel Portas:

Realmente pá, NÃO PASSAS DE UM FARSOLAS…!!!

E os burros somos nós?!

Mas aproveitando neste ACREDITAR ALDRABÃO, no mural do Facebook de Pedro Passos Coelho, encontrei lá esta pérola que dá que pensar e, no meio de tanta vigarice, sorrir:

Tribunal de Contas……….

Será por isso que nos estão a obrigar a apertar o cinto?????????
Estou sem palavras !!!!!!!!

AQUI VOS DEIXO ALGUNS EXEMPLOS DE DÚVIDAS QUE O TRIBUNAL DE CONTAS ENCONTROU NAS DESPESAS PÚBLICAS…

1. ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALENTEJO, I. P.

Aquisição de 1 armário persiana; 2 mesas de computador; 3 cadeiras c/rodízios, braços e costas altas: 97.560,00€

Eu não sei a quanto está o metro cúbico de material de escritório mas ou estes armários/mesas/cadeiras são de ouro sólido ou então não estou a ver onde é que 6 peças de mobiliário de escritório custam quase 100 000€. 2. MATOSINHOS HABIT – MH

Reparação de porta de entrada do edifício: 142.320,00 €

Alguém sabe de que é feita esta porta que custa mais do que uma casa?

3. UNIVERSIDADE DO ALGARVE – ESC. SUP. TECNOLOGIA – PROJECTO TEMPUS

Viagem aérea Faro/Zagreb e regresso a Faro, para 1 pessoa no período de 3 a 6 de Dezembro de 2008: 33.745,00 €

Segundo o site da TAP a viagem mais cara que se encontra entre Faro-Zagreb-Faro em classe executiva é de cerca de 1700€. Dá uma pequena diferença de 32 000 €. Como é que é possível???

4. MUNICÍPIO DE LAGOA

6 Kit de mala Piaggio Fly para as motorizadas do sector de águas: 106.596,00 €

Pelo vistos fazer um “Pimp My Ride” nas motorizadas do Município de Lagoa fica carote!!!

5. MUNICÍPIO DE ÍLHAVO

Fornecimento de 3 Computadores, 1 impressora de talões, 9 fones, 2 leitores ópticos: 380.666,00 €

Estes computadores devem ser mesmo especiais para terem custado cerca de 100 000€ cada….Já para não falar nos restantes acessórios.

6. MUNICÍPIO DE LAGOA

Aquisição de fardamento para a fiscalização municipal: 391.970,00€

Eu não sei o que a Polícia Municipal de Lagoa veste, mas pelos vistos deve ser Haute-Couture.

7. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES

VINHO TINTO E BRANCO: 652.300,00 €

Alguém me explica porque é que a Câmara Municipal de Loures precisa de mais de meio milhão de Euros em Vinho Tinto e Branco????

8. MUNICIPIO DE VALE DE CAMBRA

AQUISIÇÃO DE VIATURA LIGEIRO DE MERCADORIAS: 1.236.000,00 €

Neste contrato ficamos a saber que uma viatura ligeira de mercadorias da Renault custa cerca de 1 milhão de Euros. Impressionante…

9. CÂMARA MUNICIPAL DE SINES

Aluguer de tenda para inauguração do Museu do Castelo de Sines: 1.236.500,00 €

É interessante perceber que uma tenda custa mais ou menos o mesmo que um ligeiro de mercadorias da Renault e muito mais que uma boa casa… E eu que estava a ser tão injusto com o município de Vale de Cambra…

10. MUNICIPIO DE VALE DE CAMBRA

AQUISIÇÃO DE VIATURA DE 16 LUGARES PARA TRANSPORTE DE CRIANÇAS: 2.922.000,00 €

E mais uma pérola do Município de Vale de Cambra: uma viatura de 16 lugares para transportar crianças custa cerca de 3 milhões de Euros. Upsss, outra vez o município de Vale de Cambra…

11. MUNICÍPIO DE BEJA

Fornecimento de 1 fotocopiadora, “Multifuncional do tipo IRC3080I”, para a Divisão de Obras Municipais: 6.572.983,00 €

Este contrato público é um dos mais vergonhosos que se encontra neste site. Uma fotocopiadora que custa normalmente 7,698.42€ foi comprada por mais de 6,5 milhões de Euros. E ninguém vai preso por porcarias como esta?

COMO É POSSÍVEL NÃO ESTARMOS EM CRISE?

COMO DIZ SÓCRATES, É DIFÍCIL CORTAR NAS DESPESAS PÚBLICAS…

NOTA-SE…

ACABÁMOS DE VER ALGUNS EXEMPLOS…

Aparelho errado


TDT: Sinais distintos não permitem visualização

Aparelho da Groupon não serve, mas empresa diz ao ‘CM’ que já informou clientes

A Groupon, empresa on-line que oferece descontos nos produtos, colocou à venda um aparelho descodificador para a Televisão Digital Terrestre (TDT), mas que não funciona em Portugal.

A descrição do produto, uma mini-aparelhagem da marca Airis, indica que esta “inclui sintonizador analógico e TDT, leitor de DVD e rádio”, entre outras características. Mas o descodificador para a TDT que a Groupon pôs à venda segue a norma MPEG2, quando em Portugal é norma em vigor é a MPEG4.

Contactada a marca, a Airis, esclarece que o aparelho “não funcionará correctamente” em Portugal. “São sinais distintos, que o produto não suporta”. Apesar disso, segundo o site da Groupon, vários clientes adquiriram o descodificador por 99 euros, quando o preço normal é de 199 euros.

Fonte oficial da empresa disse ao CM que a ” Groupon esteve a verificar e de facto existe um erro com o sintonizador TDT. Não será funcional em Portugal. Os nossos clientes já foram informados de tal situação e compensados pelo problema em questão”.

O departamento jurídico da Deco revelou não ter ainda recebido queixas sobre a situação, mas não tem “dúvidas de que vão chover”. E recorda que as queixas mais comuns relacionadas com a TDT dizem respeito a falsas identidades dos vendedores que “dizem ser da Zon ou da Meo”.

In Correio da Manhã online
20/11/2011 | 01h00
Por:Sofia Piçarra

[aviso] – Se não serve para Portugal, porque é que o colocaram à venda no mercado? Mas isto agora é ver quem ganha os vários concursos de aldrabice? FDX! [/aviso]

 

E os burros somos nós?!

Passos Coelho: “Não foi só o Estado que gastou mais do que devia”


Declarações de primeiro-ministro

“É preciso recorrer menos ao crédito. Não foi só Estado que gastou mais do que devia. Pessoas e famílias também o fizeram, por isso têm tantas dívidas à banca” disse hoje o primeiro-ministro.

Já em relação às propostas do PS para manter o IVA em três áreas, Passos Coelho disse não ser possível “substituir receita por não receita ou corte de despesa por não corte de despesa”, rejeitando a possibilidade de serem aceites propostas que façam aumentar o défice do Orçamento de Estado.

Recorde-se que as propostas socialistas pediam a manutenção do IVA na restauração, cultura e alimentação para bebés.

»»» alguns dos comentários do jornal online:

– ESTE HOMEM SÓ GOVERNA PARA PARA OS EMPRESÁRIOS. ESTÃO TODOS BEM PAGOS POR ELES. ELES SÓ PENSAM NA ESCRAVIDÃO, PARA FICAREM NOVAMENTE MEIA DÚZIA A MANDAR NOS MOLECOS. MAS ESTÃO MUITO BEM ENGANADOS.

– Querem ver que foram os trabalhadores que ganham menos de 3000 euros que ficaram com os rios de dinheiro… tenha alguma consciência, saiba que pessoas que ganham a baixo dos 1500 euros vivem com dificuldades…

– se não foi só o Estado então porque é que é só a função publica a ter de pagar a divida? Afinal Sr. Ministro em que é que ficamos? Este homem não sabe mesmo o que anda a fazer e a dizer.

– NÃO HÁ DUVIDAS QUE AS FAMÍLIAS TAMBÉM SE ENDIVIDARAM TODAVIA ALGUMAS SE CUMPREM NA INTEGRA É POR QUE O GOVERNO LHES TIROU PARTE DO DINHEIRO PARA ESSE CUMPRIMENTO E MAIS PAR DO SUBSIDIO ERA NOVAMENTE PARA O ESTADO

– Mas não foi na minha casa que desapareceram milhões e ninguém sabe onde vai esse dinheiro …..isto é um assalto …somos roubados todos os dias para estes senhores viverem bem .. a crise a eles não os afecta em nada…

– POIS NÃO, MAS FOI O ESTADO QUE INDICOU O CAMINHO! QUANDO SE PENALIZA O INVESTIMENTO, A CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO E A POUPANÇA, ESPERA-SE QUE O CIDADÃO E AS EMPRESAS ACTUEM A CONTRA-VAPOR??!

– Passos, tenha consistência, competência,actue de boa-fé e não seja subserviente, afinal temos soberania ou não? O empréstimo não é nenhuma ajuda,caso contrario não teria-mos de pagar juros estupidamente elevados.

– O dinheiro n desapareceu. O dinheiro é só um; e para estar de um lado, não pode estar do outro. Qual é a parte q vocês políticos defensores do capitalismo não percebem? Tem muita gente aqui que também n quer perceber…

– Perdão,não foi o Estado foram os Políticos incompetentes que nos têm desgovernado e a esse ninguém pede contas!!!Os Portugueses estão a ser exprimidos para pagar essa divida, as outras ficam sem os bens e sem as casas.

– e se vocês tivessem uma boa politica em ke as pessoas na perdessem os postos de trabalho,e vocês na viessem com tantos impostos as pessoas tinham mais dinheiro para pagar as suas despesas..

– Senhor Passos Coelho mas quem e o senhor para nos vir dar lições de moral,ainda o senhor usava fralda, já noz éramos emigrantes ,que sabe o Senhor da vida,que sempre foi filho de Papa,gamem a vontade mas não diga asneiras

– “Não foi só o Estado que gastou mais do que devia”-pois não, mas quem paga a divida privada é o povo e se não a pagar não é o estado que a paga. Mas a divida publica é na mesma o povo que a paga e ninguém a paga por ele.

– A questão é que eu ao contrário do estado consigo pagar as minhas responsabilidades e não ando a fazer créditos para pagar outros créditos.

– Já agora sr. PM..esqueceu-se..das empresas..” elementar meu caro Watson ” como diria Sherlock Holmes….!!!!

– “Pessoas e famílias também o fizeram” Sim Sr.Passos Coelho! O senhor Passos, está a omitir que esses bancários incentivaram as pessoas ao crédito sem qualquer controle. 2008 EUA, não lhe diz nada?!

In Correio da Manhã online
19/11/2011 | 14h50

[aviso] – Tão novinho… e já sofre de Alzheimer, tadinho! Este bétinho cada dia que passa sabe menos o que está a fazer naquele lugar que lhe deram de bandeja a que chamam de “primeiro-ministro”. O primeiro parágrafo, então, é de quem se tem um “curso” de “economia” como ele diz ter (eu já não acredito nesta canalha desde há anos), o mesmo deve ter sido tirado ali p’rós lados da Universidade de Cacilhas, esquina com a do Porto Brandão…
Realmente não foi o Estado que gastou mais do que devia… quem gastou mais do que devia foram os políticos: Mário Soares, Cavaco Silva, António Guterres, Durão Barroso, Santana Lopes, Sócrates e Passos Coelho que está também a ir na onda dos antecessores, é que foram os verdadeiros GASTADORES, ESBANJADORES, dos biliões de €uro$ que entraram em Portugal, vindos da CEE, nomeada e principalmente na era do sr. Silva, o principal causador da destruição da nossa frota pesqueira e respectiva indústria, da agricultura e das respectivas produções, dos têxteis, etc., etc., etc..
E as famílias se pediram crédito, os Bancos quase que as “obrigavam” a isso com promessas milagrosas de benefícios para aqui, rendimentos para acolá, aliás, um total ENGANO, como enganados temos sido por esta canalha política! Então não eras tu, que antes das eleições, no tempo do Pinóquio I, dizias e juravas a pés juntos que o PPD tinha todas as soluções para sair da crise sem entrar no bolso dos Portugueses?
E se as famílias têm “tantas dívidas à banca”, é porque vocês, políticos da merda, têm andado a ROUBAR, a esmifrar tudo o que essas famílias dispunham na altura de realizarem esses créditos. E se essa receita congela (salários), ou é reduzida pelo constante e grosseiro aumento de custo de vida a todos os níveis, quer fiscal, quer económico, bem como pelos autêntico ROUBOS de subsídios de férias, de natal, não é preciso ser-se “economista”, mesmo que da merda, para se ter uma noção que vai existir falência. Até o Ti Manel das Iscas sabe isso quando faz as contas na sua mercearia de aldeia, pá! Vai chamar estúpidos aos teus colegas de partido ou de governo, não chames burro aos Portugueses que, comparados com vocês estão a muitos pontos de qualificação acima do vosso nível de competência!
Estes gajos já demonstraram, concreta e plenamente, que NÃO TÊM A MÍNIMA COMPETÊNCIA PARA GOVERNAREM PORTUGAL e estão ali apenas a cumprirem ordens dos COLONIZADORES do eixo franco-alemão, ou seja da dupla Merkozy, sendo estes os verdadeiros “governantes” de Portugal! Será por isto que eles querem abiolir o feriado do 1º. de Dezembro? para não nos lembrarmos que foi a data da Restauração de Portugal face aos invasores espanhóis? [/aviso]

Para todos aqueles que gostam de relembrar a nossa História, aqui fica um extracto do que se encontra na Wikipédia:

A grande preparação para a revolta

A ideia de recuperar a independência era cada vez mais poderosa e a ela começaram a aderir todos os grupos sociais.

Os Burgueses estavam muito desiludidos e empobrecidos com os ataques aos territórios portugueses e aos navios que transportavam os produtos que vinham dessas regiões. A concorrência dos Holandeses, Ingleses e Franceses diminuía-lhes o negócio e os lucros.

Os nobres descontentes viam os seus cargos ocupados pelos Espanhóis, tinham perdido privilégios, eram obrigados a alistar-se no exército espanhol e a suportar todas as despesas. Também eles empobreciam e era quase sempre desvalorizada a sua qualidade ou capacidade! A corte estava em Madrid e mesmo a principal gestão da governação do reino de Portugal, que era obrigatoriamente exigida de ser realizada “in loco”, era entregue a nobres castelhanos e não portugueses. Estes últimos viram-se afastados da vida da corte e acabaram por se retirar para a província, onde viviam nos seus palácios ou casas senhoriais, para poderem sobreviver com alguma dignidade imposta pela sua classe social.

Portugal, na prática, era como se fosse uma província espanhola, governada de longe. Os que ali viviam eram obrigados a pagar impostos que ajudavam a custear as despesas do Império Espanhol que também já estava em declínio.

Foi então que um grupo de nobres – cerca de 40 (conjurados)- se começou a reunir, secretamente, procurando analisar a melhor forma de organizar uma revolta contra Filipe IV de Espanha. Uma revolta que pudesse ter êxito.

A revolta do 1º de Dezembro de 1640

Começava a organizar-se uma conspiração para derrubar os representantes do rei em Portugal. Sabiam já que teriam apoio do povo e também do clero.

Apenas um nobre tinha todas as condições para ser reconhecido e aceite como candidato legítimo ao trono de Portugal. Era ele D. João, Duque de Bragança, neto de D. Catarina de Bragança, candidata ao trono, em 1580.

Em Espanha, o rei Filipe IV também enfrentava dificuldades: continuava em guerra com outros países; o descontentamento da população espanhola aumentava; rebentavam revoltas em várias regiões – a mais violenta, a revolta da Catalunha (1640), criou a oportunidade que os portugueses esperavam. O rei de Espanha, preocupado com a força desta, desviou para lá muitas tropas.

Faltava escolher o dia certo. Aproximava-se o Natal do ano 1640 e muita gente partiu para Espanha. Em Lisboa, ficaram a Duquesa de Mântua, espanhola e Vice-rei de Portugal (desde 1634), e o português seu Secretário de Estado, Miguel de Vasconcelos.

Os nobres revoltosos convenceram D. João de Bragança, que vivia no seu palácio de Vila Viçosa, a aderir à conspiração.

No dia 1 de Dezembro, desse ano, invadiram de surpresa o Palácio real (Paço da Ribeira), que estava no Terreiro do Paço, prenderam a Duquesa, obrigando-a a dar ordens às suas tropas para se renderem – e mataram Miguel de Vasconcelos.

Julho 2017
S T Q Q S S D
« Jun    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Sondagem

REVISÃO DE TEXTOS



Todos os textos aqui inseridos, são corrigidos para a Língua Portuguesa de antes do acordo ortográfico.

Mentiroso…!!!

visitas

Map

visitas desde 17/08/2011

artigos interessantes…

... não só pelos conteúdos, como pelos comentários que demonstram o que esta canalha política no poder (e não só) merece da maioria dos portugueses...

- Diário de Notícias: Cavaco sublinha importância da coesão nacional

- Diário de Notícias: Electricidade da Madeira desmente novo 'buraco'

- Expresso: Jardim diz que não se arrepende do endividamento

Os responsáveis pela derrocada de Portugal

Mário Soares - 9 de Junho de 1983 - 6 de Novembro de 1985

Cavaco Silva - 6 de Novembro de 1985 - 28 de Outubro de 1995

António Guterres - 28 de Outubro de 1995 - 6 de Abril de 2002

Durão Barroso - 6 de Abril de 2002 - 17 de Julho de 2004

Santana Lopes - 17 de Julho de 2004 - 12 de Março de 2005

José Sócrates - 12 de Março de 2005 - 21 de Junho de 2011

Passos Coelho - desde 21 de Junho de 2011

promessas do passado…

C E N S U R A

A partir desta data e tal como já foi exercido com outro online, este Blogue deixará de inserir notícias publicadas no Correio da Manhã online, dado que ontem foram deixados 3 comentários naquele online que não foram publicados e que se encontravam completamente dentro das regras exigidas pelo jornal nesta matéria.

Notícias Bravas
12.09.2011

salários mínimos na Europa

Bulgária € 123,00
Roménia € 153,00
Polónia € 281,00
PORTUGAL € 525,00
Grécia € 628,00
Espanha € 728,00
Reino Unido € 1.010,00
França € 1.321,00
Bélgica € 1.387,00
Irlanda € 1.462,00
Luxemburgo € 1.642,00

valores calculados sobre 14 meses
(incluem férias e 13º. mês)

E já que falam tanto em colocar Portugal ao mesmo nível dos países da UE, esqueceram-se da igualdade do salário mínimo?

Portugal fora da U.E.

frases ao acaso…

- Impressionante como Portugal não apresenta novos quadros na política e no seu grande empresariado. Onde estão os jovens portugueses? Ouvir um mesmo Cavaco e Silva há mais de três décadas é dose. Um Mário Soares, um Ramalho Eanes (esse ainda está vivo?), é brincadeira. Juventude lusitana assumam logo seu país antes que esses incompetentes o levem à derrocada total. Vejo diariamente a SIC e fico impressionado com o quadro político que se apresenta do continente à Madeira e Açores. Os comentários intermináveis e inócuos no programa "Quadratura do Círculo". O nome diz tudo: Umas bestas quadradas vociferando asneiras em círculo que não levam a lugar algum. Triste ver a nação de Camões, da Escola de Sagres, da Universidade de Coimbra acabar assim.

- Este Governo age como autêntico capataz da Srª. Merkel e Sr. Sarkozy. É o próprio Governo a dizer que os Portugueses têm que fazer sacrifícios, tem que ir para além da troika, para a Srª Merkel e o Sr. Sarkozy ficarem satisfeitos. E para agradar aos olhos daquelas duas personagens, este Governo submete os Portugueses a uma política que não leva a lado nenhum se o objectivo é pagar a dívida. Mas como o que interessa é o sorriso das tais personagens, este Governo optou por medidas de fazer sangue e quando o faz há quem corra para junto de Merkel e de Sarkosy a perguntar se está bem assim ou querem com mais sangue? São pacotes de austeridade atrás de pacotes de austeridade, são impostos directos acompanhados com cortes de vencimentos e como ainda acham,o Governo, que os Portugueses ainda ficam com uns trocos para matar a fome lá vêm com impostos indirectos... O simples cidadão está ensanduichado e sufocado em impostos...
O que este Governo condenou o anterior está a fazer ainda pior e sem se importar com políticas sociais e económicas... O que interessa a este Governo é que Merkel sorria de satisfação, bata palmas a este espectáculo de circo romano onde os Portugueses foram atirados às feras. O Governo fica sempre satisfeito com o seu desempenho quando Merkel bate palmas!!!!
Não temos um Governo inovador para contornar a crise ao serviço dos Portugueses, temos sim um capataz/carrasco ao serviço de quem lhes passa as mãos pelas costas!

- O povo português não é todo estúpido, subserviente e ignorante, temos de calar esta gente sem escrúpulos que manda trabalhar e nada faz pelo país, gente vendida ao capitalismo internacional. A paciência tem limites e o desespero já começa a fazer comichão nas palmas das mãos, prontas para distribuir chapada por esta gentalha miserável e oportunista que reduziu uma nação soberana a uma coutada de meia dúzia de atiradores furtivos que gosta de gozar com a cara de quem ainda acredita no seu país. O melhor é mudarem de discurso senão tudo pode acontecer e os responsáveis por isso terão de fazer as malas e bater com os calcanhares no traseiro.

- Num País de aldrabões e corruptos, nada é demais!!... Vale tudo, até tirar olhos!!! Fazem o que querem e o Povo consente!!! Aqui é que está o mal!!... É o Povo consentir toda esta bagunça e esperar pelo dia D, da sua desgraça!!! Mas, alguma vez existe alguma legislação ou Lei ou seja lá o quê, credível neste País!!! Só nos resta a natureza que essa mão falha!!! Para o ano, serão também taxados os Subsídios de Férias e de Natal, até nos levarem à depressão e ao suicídio!!! Só a INSURREIÇÃO será a solução, nada mais!!! E O POVO PÁ!!!!

- "Portugal é hoje um paraíso criminal onde alguns inocentes imbecis se levantam para ir trabalhar, recebendo por isso dinheiro que depois lhes é roubado pelos criminosos e ajuda a pagar ordenados aos iluminados que bolsam certas leis".

- Farto deste sistema de merda que nos engole
Farto destes políticos a coçar os colhões ao sol
Farto de promessas da treta
Sobem ao poder metem as promessas na gaveta
Farto de ver o país parado como uma lesma
Ver as moscas mudarem e a merda ser a mesma
Farto de miséria, o povo na pobreza
Uns deitam a comida fora, outros não a têm à mesa
Farto de rótulos, estigmas e preconceitos
Abrir os olhos e ver que não temos os mesmos direitos
Farto de mentiras, farto de tentar acreditar
Farto de esperar sem ver nada a melhorar
Farto de ser a carta fora do baralho
Farto destes cabrões neste sistema do caralho
Não te iludas ninguém quer saber de ti
Todos falam da crise mas nem todos a sentem
Muitos com razão, mas muitos deles apenas mentem
Crimes camuflados durante anos a fio
Tavam lá todos eles mas ninguém viu
Não foi ninguém, ninguém fez nada,
E se por acaso perguntarem ninguém diz nada
Farto de ver intocáveis saírem impunes
Dizem que a justiça é para todos mas muitos são imunes
Dois pesos, duas medidas
Fazem o que fazem, seguem com as suas vidas
Para o povo não há facilidades
E os verdadeiros criminosos do lado errado das grades
Boss AC

- O povo português, mesmo com todos os seus defeitos e manias, não merece estar à mercê de uma classe política que só se importa consigo própria.
100editora.net

- Marinho Pinto é tipo ciclone... nunca se sabe que rumo e intensidade toma... Às vezes diz umas verdades...outras burrega em toda a linha. Perdeu na sua defesa do pagamento das defesas oficiosas. Os Advogados metiam "mesmo" a mão na massa, como a ministra já provou, como se verifica pela quantidade de casos descobertos. Agora Marinho ameaça , numa reacção pouco civilizada e imodesta. É o que temos neste país... Marinhos Pintos e João Albertos....

Jardim pede independência da Madeira - Há pouco mais de 5 séculos 2 intrépidos navegadores,João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, cobriram de glória o nome de Portugal, abrindo as portas à grande epopeia dos Descobrimentos Portugueses. Contrariamente ao que diz o apátrida Jardim, atraiçoando a memória destes grandes portugueses, a Madeira nunca foi COLONIZADA, por ser um arquipélago sem ocupação humana, à data da descoberta.
Esta última e miserável declaração desta ingrata personagem conduz-nos a uma situação sem retorno e exige a realização de um REFERENDO que nos permita saber se os portugueses da Madeira querem manter a sua condição de PORTUGUESES – com todas as obrigações e direitos –ou se, pelo contrário, querem embarcar num navio à deriva, que rapidamente afundará, conduzido por um rasca aprendiz de marinheiro que condenará a população da Madeira a um futuro pouco risonho.

- No exterior são muitas as vozes - Martin Feldstein, George Soros são dois exemplos - que consideram provável que Portugal acabe por sair do euro pelo seu pé, uma vez que não terá condições de aguentar tanta austeridade ou de crescer com as regras do euro, orientadas para economias fortes. Esta semana, em entrevista à SIC, o economista João Ferreira do Amaral - crítico da entrada de Portugal no euro - apontava que vista de fora, sem o envolvimento com o país, a situação insustentável seria fácil de observar.

- Chamar merceeiros a estes "gestores/economistas" de pacotilha, é ofender seriamente os verdadeiros merceeiros...

- Hoje não há uma notícia que nos deixe reconfortados e o problema é só um: o mundo neoliberal em que nós mergulhámos deixou-nos neste estado de pura desgraça. Cavaco começou esta pouca vergonha em Portugal: ele o timoneiro e os seus comparsas. Gente sem categoria nenhuma pouco cultos sem inteligência que vieram dos montes para singrarem na cidade e na política onde se consegue um bom emprego a não fazer nada e depois conseguir-se um grande lugar numa empresa ou em várias. É uma alegria: pessoas com 5 e 6 reformas. Eu sei. Dinheiro muito dinheiro da CEE mal gerido e desperdiçado nas mãos de gente nada séria.Uma máfia. BPN, BPP, MADEIRA. Os portugueses a pagarem as vigarices do homem que quer passar a imagem de honesto mas que a mim nunca me enganou.

- O 25 de Abril tem sido um paraíso fiscal para estes políticos Gatunos que deixam as famílias portuguesas falidas e eles Milionários...!!!

- Votar, em Portugal, já não é democrático, é consentir que o crime de corrupção prolifere sem limite. Podemos travá-los? Sim...
Sem o teu voto, eles não são nada!

- "O País entrou no bloco operatório para fazer uma lipoaspiração e, devido a um erro clínico, saiu de lá sem um rim e com um braço a menos"

- Paulo Macedo, esse grande herói da Direcção-Geral dos Impostos, com vasto currículo na Saúde, quer, por exemplo, economizar nos transplantes. Muito bem. Toda a gente sabe que essas operações são meros caprichos e que, frequentemente, as listas de cirurgia estão cheias de utentes que querem mudar de fígado só porque o que tinham estava fora de moda.

- O ministro também anunciou que o Estado deixará de comparticipar a pílula, sem dúvida uma excelente maneira de combater o aborto. O mesmo caminho segue a vacina contra o cancro do colo do útero e os medicamentos para asmáticos, esses malandros que querem respirar à borla.

- Com menos portugueses e mais asfixiados, certamente o Estado terá menos despesas. Confirma-se: não há vida além do défice.

Porque é que as dívidas de particulares aumentam?

Existem por aí uns economistas de capoeira, a mandarem bitaites sobre os "calotes" que as famílias pregam à banca e às "sociedades financeiras" que designo de "mercearias de dinheiro fácil" sem terem em linha de conta, na maioria dos casos, do porquê de tal situação.
O Dr. Paulo Morais em meia dúzia de frases, sintetizou os porquês dessa situação e eles são, principalmente:

- Ganância irresponsável de uma Banca usurária.
- Quando se vulgarizaram, o crédito ao consumo e os empréstimos pessoais pareciam uma solução fácil. Um embuste colossal.
- As empresas de crédito ao consumo lançaram milhões num inferno. Prometiam taxas de juro que eram já de si elevadas. Mas a estas acresceram comissões, seguros, impostos e outros assaltos. Obrigam assim os clientes ao pagamento de taxas anuais efectivas de encargos (a famosa TAEG) de quase 30 por cento. Em famílias de escassos recursos, estes empréstimos provocaram a insolvência.
- Ao longo de anos, as autoridades de supervisão bancária nada fizeram. Sucessivos governos deixaram os consumidores de produtos financeiros à mercê das verdadeiras sanguessugas que são as sociedades financeiras de “apoio” (?!) ao consumo e de concessão de crédito pessoal.
- Há que tentar perceber a ausência de intervenção do Banco de Portugal e até a inércia do Ministério Público, incompreensível, uma vez que a usura em Portugal constitui crime. De seguida, baixar compulsivamente as taxas, repondo a equidade.

Nem o Banco de Portugal, nem o Ministério Público, nem os (des)governos, todos eles, em conjunto, alguma vez puseram cobro a esta USURA que, como Paulo Morais diz, constitui CRIME em Portugal.

A.C.A.M.

União de Doentes com Cancro em risco de fechar

A União Humanitária dos Doentes com Cancro (UHDC) anunciou hoje que corre o risco de encerrar devido à redução de donativos e apela às dádivas dos portugueses para poder continuar a apoiar estes doentes e os seus familiares.
Em comunicado enviado à agência Lusa, a UHDC refere que, "devido à crise e consequente drástica redução de donativos", está a "passar por graves dificuldades económicas".
Nas contas da UHDC está já com um saldo negativo de 27 mil euros, relativo a 31 de Agosto, valor que a organização precisa reunir até final do ano, "de modo a garantir o pagamento de salários e a prossecução de todas as suas actividades de apoio a doentes com cancro e seus familiares, nomeadamente, a Linha Contra o Cancro e o Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico".
A União Humanitária dos Doentes com Cancro apela aos contributos da população (empresas e particulares), disponibilizando a conta da organização no Montepio com o NIB: 0036 0216 99100077363 22.
Esta associação - que tem como primeiro objectivo apoiar os doentes com cancro e seus familiares, mediante a prestação de diversas valências de apoio, inteiramente gratuitas - promove anualmente uma campanha de angariação de fundos, de modo a garantir a sua sustentabilidade, tendo registado este ano uma redução de cerca de 30 mil euros face à campanha do ano passado.
Esta redução de fundos "coloca em causa a sobrevivência da associação", lê-se no comunicado.

inquérito Diário Digital

Inquérito JN 500 euros aos alunos

Inquérito JN sobtre quebra de proditividade

Inquérito JN – Taxa para financiar bombeiros

Inquérito J.N. desvio contas Madeira

aldrabices de algibeira

"Ninguém nos verá no Governo a impor sacrifícios aos que mais precisam apenas para fazer de conta que está tudo bem, se as coisas não estiverem bem, nós teremos de dizer que aqueles que têm mais, têm de ajudar mais os que têm menos em Portugal".
Passos Coelho
In JN de 2011-06-01

"A Grécia pediu ajuda e falhou. E sabem o que é que pode acontecer? Pode não haver mais ajuda externa. Não é a Europa que pode estar em causa com o Euro. São os gregos que podem ficar de fora da Europa e podem sofrer o que não é justo que sofram", disse, num paralelo com o que pode vir a acontecer a Portugal, se não houver um Governo "forte e coeso".
"Nós não podemos ter um Governo que faça de conta, que minta".
"Não percam tempo com quem já sabe que fracassa, dêem força a quem pode ganhar Portugal", pediu, apelando a que, numa "altura histórica" como a que Portugal vive, os portugueses não votem num Governo que "pode deitar tudo a perder".
Para além de ter dito: GOVERNAR PORTUGAL É IR AO POTE!
Passos Coelho
In JN de 2011-05-29

“O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, garantiu hoje que, se ganhar as eleições, “não vai mexer nas taxas de IVA” e que pretende recolher mais dinheiro dos impostos “alargando a base”. “Eu já tive ocasião de dizer que o PSD, e eu próprio, não vamos mexer naquilo que são as taxas de IVA que estão previstas, nomeadamente no acordo que foi estabelecido com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional. Nós vamos ter de recolher mais dinheiro dos impostos alargando a base, que não aumentando ou agravando as taxas do imposto”, disse.”<
Passos Coelho falava numa acção de campanha em Valença do Minho, durante a qual ouviu as preocupações dos comerciantes e dos autarcas locais sobre a disparidade já existente entre o IVA em Portugal e em Espanha.”
In LUSA/SOL 30 de Maio de 2011

A 01.Abr.2011, Passos Coelho GARANTIU a uma aluna de uma escola de Vila Franca de Xira que NÃO IRIA MEXER NO SUBSÍDIO DE NATAL 2011...!!!

C A R R I S

15% de aumento nos títulos de transporte resultaram na continuidade dos maus serviços prestados aos utentes!
Equipamentos de ar condicionado, em pleno Agosto, com temperaturas exteriores mais frescas que dentro das viaturas porque o AC está DESLIGADO! 80% dos motoristas devem ser alérgicos ao AC pois pela janelinha do lado deles entra corrente de ar, ao passo que os que pagam o seu título de transporte vão numa de sauna forçada!
E como isto é um País de mansos, onde ninguém protesta, a estória continua diariamente... E não esqueçam, seus pategos, que em Janeiro está previsto novo aumento de tarifário...!

arquivo

Blog Stats

  • 178,748 hits

top de classificação

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 24 outros seguidores

autores

Flickr Photos