//
archives

taxas moderadoras

This category contains 72 posts

Trabalhadores não perdem direitos em caso de desemprego


Pedro Mota Soares revela

Ministro Pedro Mota Soares garante manutenção de direitos em caso de desemprego

O ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, revelou que um trabalhador com 40 anos, mesmo que ainda esteja empregado, não irá perder os direitos já adquiridos. “Ou seja se tiver direito a dois anos de subsídio manterá esse direito”, referiu em entrevista à Rádio Renascença.

O ministro adiantou também que de acordo com as novas regras de subsídio de desemprego que serão conhecidas ainda esta semana os trabalhadores a partir dos 50 anos poderão ter garantidos mais 60 dias por cada 5 anos de trabalho, para lá do limite máximo de 18 meses que o subsídio de desemprego passará a estabelecer.

In Correio da Manhã online
04/01/2012 | 12h24
Por:João Saramago

Portugal é o único país onde a austeridade exigiu mais aos mais ao pobres


Estudo da Comissão analisa medidas tomadas entre 2009 e 2011 pelos seis países mais afectados pela crise
Entre os seis países da União Europeia mais afectados pela crise, Portugal é o único onde as medidas de austeridade exigiram um esforço financeiro aos pobres superior ao que foi pedido aos ricos, revela um estudo recente publicado pela Comissão Europeia.
Na comparação com Grécia, Estónia, Irlanda, Reino Unido e Espanha, Portugal é também o País que regista um dos maiores aumentos de risco de pobreza devido às medidas de consolidação orçamental adoptadas durante a crise, ultrapassando a barreira dos 20% da população em risco.
03 Janeiro 2012 | 10:00
Rui  Peres Jorge – rpjorge@negocios.pt

Poupanças de 70 milhões no rendimento social de inserção vão suportar os aumentos das pensões


Com este aumento, que é feito em linha com a inflação, a pensão mínima passa a ser de 254 euros, a rural 234 euros e a social de 195 euros, disse o ministro aos jornalistas.

O aumento de cerca de sete euros mensais nas pensões mínimas, rurais e sociais, que entra hoje em vigor, será aplicado com os 70 milhões de poupança no Rendimento Social de Inserção (RSI), disse hoje o ministro Pedro Mota Soares.

A medida já tinha sido anunciada antes pelo Governo, mas o ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, fez questão de a sublinhar hoje em Lisboa, no dia em que entra em vigor o aumento daquelas pensões, durante uma visita ao Centro Paroquial de São Vicente de Paulo, no Bairro da Serafina.

Com este aumento, que é feito em linha com a inflação, a pensão mínima passa a ser de 254 euros, a rural 234 euros e a social de 195 euros, disse o ministro aos jornalistas.

“Não é uma medida simbólica. Nós estamos a falar de um milhão de portugueses. Este milhão de portugueses em 2011 viu o seu poder de compra ser reduzido. As pessoas, com o congelamento das pensões, com o aumento da inflação, ficaram com menos poder de compra”, alertou.

Os cerca de 70 milhões de euros canalizados para este aumento do valor das pensões serão provenientes do que o Governo quer poupar com o conjunto de novas regras de atribuição do RSI, “para separar o trigo do joio”.

O objectivo é “garantir que quem precisa do RSI pode ter e que quem faz abusos e recebe numa situação de fraude deixe de o receber”, disse Mota Soares.

Em Novembro, o ministro tinha anunciado que o Governo estima reduzir de 440 milhões de euros em 2011, para 370 milhões de euros em 2012 a verba destinada ao RSI, canalizando a poupança (70 milhões de euros) para o aumento das pensões mínimas, rurais e sociais.

Pedro Mota Soares visitou hoje o Centro Paroquial de São Vicente de Paulo, que tem várias valências (creche, lar, centro de dia, ATL) e dá apoio a cerca de 700 crianças, idosos e pessoas com deficiência.

In Jornal de Negócios online
01 Janeiro 2012 | 17:00

E os burros somos nós!!!???

Salários reais caem 5% e já estão ao nível de 2003


Contas nacionais terceiro trimestre

Remunerações estão a cair ao ritmo mais alto da década. Défice público também diminuiu no terceiro trimestre.
Os salários em Portugal estão a cair ao ritmo mais elevado da década, de acordo com dados publicados ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No terceiro trimestre de 2011, as remunerações pagas aos trabalhadores recuaram 5% em termos reais e já estão agora ao nível que se registava em 2003.

A diminuição do bolo salarial está a acelerar por duas vias: salários médios mais baixos – cerca de menos 1,8% face ao mesmo trimestre do ano anterior – e uma inflação que já está acima dos 3%, corroendo assim o poder de compra dos vencimentos efectivamente pagos.

Os números do INE não distinguem entre sector público e privado, mas sabe-se que os funcionários do Estado estão a receber salários que são, em média, cerca de 5% mais baixos do que no ano passado. A decisão foi tomada no final de 2010 pelo anterior Governo, e inscrita no Orçamento do Estado deste ano.

No sector privado, não há valores comparáveis. Mas os números do INE parecem revelar uma realidade bastante diferente da que é retratada pelos números do Banco de Portugal, que apontam para variações nominais de salários entre 1 e 2%. Estes últimos referem-se apenas às negociações em sede de contratação colectiva, o que os torna consideravelmente menos abrangentes do que os do INE.

Em todo o caso, os salários médios estão agora, em termos reais (ou seja, depois de se levar em conta a inflação), ao nível do que era praticado em 2003. A diminuição do peso da massa salarial nos custos de produção das empresas é, de resto, uma das metas do programa de ajustamento negociado com o FMI, Comissão Europeia e BCE.

Défice orçamental em mínimos

Outra novidade das Contas Nacionais por sector, divulgadas pelo INE, é o valor surpreendentemente baixo do défice público: apenas 3,8% do PIB do terceiro trimestre, bem menos do que os valores anteriores (7,7 e 9%, respectivamente).

Segundo o INE, a redução do défice fez-se através do aprofundamento dos cortes salariais – possivelmente, através de saídas de trabalhadores –, de uma melhoria considerável da cobrança de impostos sobre rendimentos (IRS e IRC, sobretudo), menores gastos com investimento e com benefícios sociais em espécie (comparticipação de medicamentos, por exemplo).

Se os valores se repetissem no quarto trimestre, o Governo fechava o ano com um défice de 6% do PIB – ou 2,5%, se se levar em conta a transferência dos fundos de pensões da banca. Mas os números devem ser lidos com cautela, já que não incorporam qualquer ajustamento sazonal. Ou seja, é possível que haja despesas e impostos contabilizados neste trimestre que deveriam, pelas regras de Bruxelas, ser atribuídos a outro período.

In Jornal Negócios online
29 Dezembro 2011 | 22:57
Pedro Romano – promano@negocios.pt

Bastonário dos Médicos contra aumento “brutal” das taxas moderadoras


José Manuel Silva diz que classe média vai ser castigada

Bastonário da Ordem dos Médicos não está convencido com os aumentos

O bastonário da Ordem dos Médicos classifica de “brutal” o aumento das taxas moderadoras, sobretudo num contexto em que os cidadãos já sofreram reduções de salários e aumentos de impostos.

Em entrevista à Lusa, José Manuel Silva considerou que eram suficientes os valores das taxas moderadoras que estavam em vigor, mas reconheceu a necessidade de aumentar “um pouco” as taxas em função da situação e da “confrangedora incapacidade” que o Governo tem revelado em resolver os problemas do País.

“Mesmo assim, uma duplicação das taxas é um aumento brutal, não só pelo aumento das taxas, mas porque os cidadãos estão a ser esmagados por todas as vias, com redução dos salários e aumento dos impostos”, afirmou.

O bastonário sublinhou, contudo, as medidas do Governo que “amenizam” o impacto do aumento: estabelecer um tecto máximo de 50 euros no pagamento por actos nas urgências e elevar ligeiramente o limiar inferior abaixo do qual as pessoas estão isentas, aumentando deste modo o número de isentos de taxas moderadoras.

“Mas isso significa também que a classe média vai ser castigada pelas taxas moderadoras e temos que ter a noção de que a justiça social na saúde se faz através dos impostos, a comparticipação de todos paga o SNS [Serviço Nacional de Saúde]”, salientou.

O bastonário lembra que os impostos são “um seguro público que cada cidadão que paga impostos faz”, sendo a justiça social assegurada pela diferença de descontos entre quem ganha mais e quem ganha menos.

Para José Manuel Silva, o aumento das taxas é discutível e criticável, porque os problemas financeiros de Portugal deveriam ser resolvidos de outra maneira, nomeadamente através do combate à evasão fiscal, à fraude e à corrupção, bem como através de reformas estruturais.

“Para discutirmos o problema das taxas moderadoras, temos que discutir o financiamento do SNS e para discutirmos o financiamento do SNS temos que discutir a governação, porque o dinheiro tem que vir de algum lado”, afirmou, acrescentando que “o problema das taxas moderadoras está na governação do País dos últimos anos e da actual”.

In Correio da Manhã online
30/12/2011 | 17h49
Por:Lusa

O que vai mudar na sua pensão de reforma


A austeridade baterá à porta de todos e nem quem julgava ter a sua reforma garantida escapa. Para o ano, 300 mil aposentados da Segurança Social e outros tantos da Função Pública vão levar um corte nominal na sua pensão. O “castigo” triplica o que tinha sido negociado com a troika.

Desde Maio de 2011 que os pensionistas estavam de pré-aviso em relação aos cortes que poderiam vir a sofrer nas suas reformas. Mas a tesourada que o Governo acabou por lhes determinar revelou-se três vezes maior do que a que estava negociada com a troika. Contas feitas, 600 mil levam um corte no valor nominal da pensão e 700 mil vêem-na congelada durante dois anos.

Para o ano, escapa à austeridade só quem recebe as chamadas pensões de “miséria” pagas pela Segurança Social, onde, ainda assim, se enquadram um milhão de reformados. Dos 247 euros por mês em diante, todos perdem.

As pensões até 600 euros brutos por mês, ficarão congeladas pelo segundo ano consecutivo, acumulando uma desvalorização real superior a 6%. Significa isto que, com o mesmo dinheiro, conseguirão comprar menos 6% de bens e serviços do que em 2010. Nunca foram divulgados números oficiais sobre os atingidos por esta medida, mas as estatísticas da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações (CGA) apontam para cerca de 700 mil pensões de reforma.

Quem ganha mais de 600 euros sofrerá mesmo cortes nominais, que crescem à medida que a pensão sobe de valor. A ceifadela concretiza-se nos subsídios de Natal e de férias de cada um, na proporção da contribuição que lhe cabe (ver tabela em baixo). Para se ter uma ideia, quem ganhar uma pensão bruta (ou um conjunto de pensões, todas somadas) de 730 euros brutos por mês, acabará por ceder um subsídio inteiro no ano (recebe metade do de Natal e metade do de férias). Quem ganhar 1.100 euros ou mais, já terá de prescindir da totalidade dos subsídios, empobrecendo em dois salários por ano.

Estão implicados nesta medida 300 mil aposentados que recebem reforma da Segurança Social, segundo números oficiais cedidos esta semana pelo ministério liderado por Pedro Mota Soares. Um grupo ao qual se juntam cerca de mais 300 mil pensionistas que recebem reformas via CGA, segundo as estatísticas desta instituição (as Finanças nunca chegaram a precisar o universo exacto de afectados). No total, são 600 mil que levam cortes.

Austeridade a triplicar

Os cortes no rendimento bruto dos pensionistas são análogos aos que serão aplicados aos trabalhadores do Estado e renderão aos cofres do Estado cerca de 1,26 mil milhões de euros brutos.

A despesa que o Estado poupa é o triplo da que estava prevista com a medida que constava do memorando assinado em Maio, e que previa uma redução média de 5% nas pensões de reforma acima de 1.500 euros brutos mensais.

Os cortes são certos para 2012 e 2013, mas poderão estender-se para lá desta data. O Governo tem respondido que a sua vigência coincidirá com o plano de ajustamento da troika, o que significa que se este se prolongar, a austeridade poderá revelar-se mais duradoura.

In Jornal Negócios online
30 Dezembro 2011 | 09:00
Elisabete Miranda – elisabetemiranda@negocios.pt

Então macacada...???

Novas regras de isenção das taxas moderadoras “injustas”


Utentes Saúde

Fotografia © Global Imagens

O Movimento de Utentes dos Serviços de Saúde e a Associação de Famílias Numerosas consideram “injustas” as novas regras de isenção das taxas moderadoras de saúde por “ignorarem” o número de filhos.

A partir de domingo entram em vigor as novas normas que definem que a isenção das taxas moderadoras se aplica quando a média mensal do rendimento do agregado familiar é inferior a 628,83 euros.

Ao contrário do que acontecia até agora, o rendimento médio mensal do agregado familiar passa a ser apurado “mediante a consideração do conjunto dos rendimentos das pessoas que o constituem em função da capitação correspondente ao número de sujeitos passivos, a quem incumbe a direcção do agregado familiar”, define a portaria nº 311-D/2011 publicada em Diário da República.

Para o presidente da Associação Portuguesa das Famílias Numerosas (APFN), Fernando Ribeiro e Castro, o diploma, que “ignora a existência de crianças no cálculo do rendimento médio mensal”, é mais um caso de uma política que tem vindo a “agravar de forma duríssima a vida das famílias”.

Para a associação, o diploma “viola a Constituição, porque no cálculo da taxa ignora a dimensão do agregado familiar”, situação que leva Fernando Ribeiro e Castro a defender que “o Governo tem de entrar em linha de conta com o rendimento ‘per capita'”.

“O Governo está a ignorar as despesas com as crianças e com os jovens, porque vê os filhos como um luxo a abater”, criticou a presidente da APFN, recordando que neste momento já existem “imensas famílias em situação aflitiva”.

Também o Movimento de Utentes dos Serviços de Saúde se diz chocado com a medida: “Este é um critério muito redutor e deixa de fora muitas famílias por pormenores que deviam ter sido ponderados de outra forma”, criticou Manuel Vilas Boas, acrescentando que a associação “não compreende e não pode aceitar” as mudanças.

Perante o novo diploma, o representante da APFN recordou o anúncio da criação do “visto familiar”, uma espécie de autorização previa que todos os diplomas deveriam ter antes de serem aprovados.

“Esta medida é contra o próprio programa eleitoral. O senhor primeiro-ministro fez um grande foguetório que ia criar um visto familiar, mas onde é que ele está? Está na clandestinidade, porque eu não acredito que qualquer pessoa com bom senso fosse carimbar com o visto familiar esta medida”, criticou Fernando Ribeiro e Castro.

De acordo com o diploma, “até 29 de Fevereiro de 2012, todos os utentes que se encontrem registados como isentos no Registo Nacional de Utentes (RNU) a 31 de Dezembro de 2011 serão notificados pelos serviços do Ministério da Saúde, da manutenção ou caducidade dos termos do respectivo registo”.

Entretanto, “até 15 de Abril de 2012, presumem-se isentos do pagamento de taxas moderadoras os utentes que se encontrem registados como isentos no Registo Nacional de Utentes (RNU) a 31 de Dezembro de 2011 e que apresentem requerimento de 29 de Fevereiro a 31 de Março de 2012 para reconhecimento de situação de insuficiência económica”.

In Diário de Notícias online
por Lusa
29/12/2011

[aviso] – O Hitler criou campos de extermínio para dizimar os judeus e todos aqueles que não pertenciam à “raça pura ariana”; estes, querem exterminar TODOS os pobres que ganham uns fabulosos salários/pensões/reformas abaixo dos 1.000 euros, sendo que só o arrendamento de um barraco não custa menos de 500 euros hoje em dia! E o resto? Quem paga…? [/aviso]

 

Então macacada...???

Rendas: As 10 principais mudanças aprovadas hoje


Rendas: As 10 principais novidades

Assunção Cristas

A revisão da lei do arrendamento, tantas vezes prometida e outras tantas adiada, vai mesmo avançar e prevê mudanças consideráveis ao actual regime.

Com o mercado imobiliário a sofrer de forma clara os efeitos da crise económica, e com a agravante de os bancos terem fechado a torneira do crédito, esta nova legislação, aprovada hoje no Conselho de Ministros, é vista como uma oportunidade de agilizar e promover o arrendamento, em detrimento da compra individual de habitação. O que muda:

1. A nova lei do arrendamento prevê uma actualização das rendas congeladas, num espaço de cinco anos. Os que beneficiem de rendas antigas e não provarem a sua incapacidade financeira, vão ter em breve a sua renda actualizada.

2. Este mecanismo de negociação vai implicar que o senhorio proponha ao inquilino o valor que considera ajustado. O inquilino pode, depois, sugerir um novo valor.

3. Se o inquilino ou senhorio não chegarem a acordo, é acertado um valor médio entre as duas propostas. Esse valor médio, multiplicado por 60 (cinco anos) será o valor da renda se o senhorio quiser que o inquilino abandone o imóvel

4. A prevista actualização das rendas antigas vai ter em conta os recursos económicos dos inquilinos e será gradual. Quem tiver + 65 anos, invalidez acima de 60% ou não tiver condições económicas terá salvaguardas. Haverá um período de cinco anos de transição para estes casos. No final deste período, a renda é actualizada e o Estado pode subsidiar a diferença, garantiu hoje a ministra.

5. Nesse período de cinco anos de transição, o ajustamento anual nunca poderá ser superior a 25% do rendimento dos inquilinos. Para quem ganha até 500 euros mensais, a taxa de esforço fica limitada a 10%.

6. Os inquilinos que falharem o pagamento de duas rendas seguidas. O Ministério ainda não definiu o critério para as rendas que não forem pagas intervaladas (com meses pagos pelo meio).

7. Será criado um balcão de arrendamento, onde os senhorios se podem dirigir quando considerarem que têm razões para terminar o contrato com o inquilino. Será esse balcão que informará o inquilino, que pode recusar sair. Nesse caso, o processo é resolvido em tribunal

8. A lei, apesar de facilitar os despejos, continua a dificultar a resolução do conflitos, permitindo que a solução para os conflitos se arrastem em tribunal. A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, bateu o pé e não quis que os despejos ficassem de fora dos tribunais, contrariando assim a celeridade desejada pela troika.

9. Os princípios gerais do novo diploma de arrendamento deverão ser aprovados nos próximos 90 dias. A actualização das rendas está presa por outro processo que corre em paralelo: a actualização do valor patrimonial dos imóveis antigos para efeitos de IMI.

10. O Governo quer aproximar o regime fiscal dos rendimentos prediais aos impostos cobrados ao capital. Na prática, isto pode implicar uma taxa liberatória mais baixa para quem arrende caixas. “Queremos incentivar que mais pessoas coloquem as suas casas no mercado”, garantiu a ministra.

In Dinheiro Vivo online
por Lucília Tiago
29/12/2011 | 15:20

[aviso] – Quem tiver mais de 65 anos, 60% de incapacidade, etc., etc., passados 5 anos já poderá ver agravada a sua situação? Sinceramente, se calhar nessa altura já voltou a ser jovem, perdeu a incapacidade, isto é, ressuscitou…!!! Haja paciência para aturar esta canalha! [/aviso]

E os burros somos nós!!!???

Governo de Passos Coelho merece nota positiva?


Qual o ministro do Governo com melhor desempenho? E o pior? Responda a esta e outras questões sobre o desempenho do Governo de Passos Coelho em 2011.

O Negócios lançou hoje um novo questionário no Negócios Opinião, a aplicação onde os leitores podem deixar a sua opinião sobre os mais variados temas.

Neste questionário, pedimos que faça a sua avaliação ao desempenho do Governo em 2011. Avalie os vários ministros, o Governo em geral e escolha o membro do Executivo com melhor e pior desempenho. Os resultados serão depois publicados no Negócios quando o questionário for encerrado.

Para responder a este questionário, tem primeiro que ter no seu telemóvel a aplicação Negócios Opinião, disponível para iPhone, iPad e Android.

Se ainda não respondeu ao primeiro questionário, sobre as Perspectivas para 2012, ainda o poderá fazer.

In Jornal de Negócios Online
negocios@negocios.pt
28 Dezembro 2011 | 18:22

»»»» Provas das ALDRABICES E DA LADROAGEM:

Citações que Passos Coelho fez antes das eleições

– …”Estas medidas põem o país a pão e água. Não se põe um país a pão e água por precaução.”

– …”Estamos disponíveis para soluções positivas, não para penhorar futuro tapando com impostos o que não se corta na despesa.”

– …”Aceitarei reduções nas deduções no dia em que o Governo anunciar que vai reduzir a carga fiscal às famílias.”

– …”Sabemos hoje que o Governo fez de conta. Disse que ia cortar e não cortou.”

– …”Nas despesas correntes do Estado, há 10% a 15% de despesas que podem ser reduzidas.”

– …”O pior que pode acontecer a Portugal neste momento é que todas as situações financeiras não venham para cima da mesa.”

– …”Aqueles que são responsáveis pelo resvalar da despesa têm de ser civil e criminalmente responsáveis pelos seus actos.”

– …”Vamos ter de cortar em gorduras e de poupar. O Estado vai ter de fazer austeridade, basta de aplicá-la só aos cidadãos.”

– …”Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Os que têm mais terão que ajudar os que têm menos.”

– …”Queremos transferir parte dos sacrifícios que se exigem às famílias e às empresas para o Estado.”

– …”Já estamos fartos de um Governo que nunca sabe o que diz e nunca sabe o que assina em nome de Portugal.”

– …”O Governo está-se a refugiar em desculpas para não dizer como é que tenciona concretizar a baixa da TSU com que se comprometeu no memorando.”

– …”Para salvaguardar a coesão social prefiro onerar escalões mais elevados de IRS de modo a desonerar a classe média e baixa.”

– …”Se vier a ser necessário algum ajustamento fiscal, será canalizado para o consumo e não para o rendimento das pessoas.”

– …”Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português.”

– …”A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento.”

– …”A pior coisa é ter um Governo fraco. Um Governo mais forte imporá menos sacrifícios aos contribuintes e aos cidadãos.”

– …”Não aceitaremos chantagens de estabilidade, não aceitamos o clima emocional de que quem não está caladinho não é patriota”

– …”O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento.”

– …”Já ouvi o primeiro-ministro dizer que o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e é um disparate.”

– …”Como é possível manter um governo em que um primeiro-ministro mente?”

Conta do Twitter de Passos Coelho (@passoscoelho), iniciada a 6 de Março de 2010. Os tuites aqui transcritos foram publicados entre Março de 2010 e Junho de 2011 (Esta nota final foi rectificada às 19.30 de sexta-feira, 2 de Setembro) Artigo Parcial Citações de Passos Coelho antes das eleições… Comparem o que disse com o que está a fazer!!

[aviso] – Nota Positiva? Que nota positiva se pode dar a um (des)governo de aldrabões e de ladrões? Para ganhar o pote a todo o custo, aldrabou TODO O PAÍS com promessas que sabia não iria cumprir caso fosse eleito; o que aconteceu logo tomou posse. Como ladrão, roubou miseravelmente parte do subsídio de Natal deste ano a uma grande maioria de Portugueses em dificuldades financeiras, enquanto os pançudos do regime continuam a engordar à nossa custa; e vai continuar a roubar-nos com os subsídios de férias e de natal do ano que vem; e vai continuar a roubar-nos com os aumentos de taxas moderadoras, IVA’s, IRS’s e companhia. E TODA A CARGA FISCAL cai única e EXCLUSIVAMENTE EM CIMA DOS MAIS DESFAVORECIDOS! Estes ROUBOS SÃO INCONSTITUCIONAIS! Que nota se pode dar a esta canalha? RUA, IMEDIATAMENTE! [/aviso]

E os burros somos nós!!!???

Reformas do Governo “incomodam interesses instalados”


O ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira, disse hoje que as reformas em que o Governo está a trabalhar “incomodam muitos interesses instalados”.

“É verdade que muitas das reformas económicas que é preciso implementar incomodam essencialmente os interesses instalados. Só que não há alternativa às reformas na lei laboral, nos licenciamentos, nas rendas e na justiça”, afirmou.

Álvaro Santos Pereira falava hoje em Felgueiras na cerimónia de apresentação da Agenda Regional para a Empregabilidade do Tâmega e Sousa.

O ministro insistiu que “todas estas reformas muitas vezes incomodam, mas são essenciais para a competitividade da economia portuguesa”.

“São essenciais para o crescimento económico”, sublinhou, defendendo que o caminho que o Governo está a trilhar é o que o país precisa.

“Estamos perfeitamente conscientes que, se continuarmos o caminho que tem sido travado nos últimos meses, se assegurarmos o caminho da consolidação orçamental, se levarmos a cabo as reformas que nós precisamos, temos a perfeita consciência que iremos vencer”, disse.

O ministro destacou, a propósito, que nas próximas semanas será apreciada pelo Conselho de Ministros a nova Lei da Concorrência, a qual, explicou, irá tornar “os processos ligados às questões da concorrência mais transparentes”.

“Será uma lei que aproximará Portugal dos parâmetros europeus com uma economia mais aberta e concorrencial”, considerou Álvaro Santos Pereira.

»»»» comentários do jornal online:

– Deixem-se de cegadas e acabem de vez com a economia escondida. Nem mais um pagamento por baixo da mesa!

– Trabalho 10 a 11 horas/dia há mais de 15 anos. Levo trabalho para casa para o fim de semana e muitas vezes durante as férias. E ainda acham que tenho que trabalhar mais? Isto só pode vir de gente que nunca fez nada na vida a não ser dar umas aulas numa faculdade manhosa com almoços de “trabalho” de 3 horas …

– O sujeito que diz ser Ministro da Economia, não passa dum capo da propaganda, chefe do desemprego e impulsionador monetarista. Como esse bastardo não sabe de história económica, ou parece não saber, importa lhe dizer, que o sagrado E.U.A. que ele tanto se aninha, aquando da Grande Depressão também tentou e com um fracasso colossal o tipo de Política Orçamental/Fiscal que esse bacano idolatra. O ilustre país, só saiu da recessão massiva quando adoptou medidas precisamente opostas (keynesianas) ao que esse desatinado se aninha!

– Para que os Cidadãos acreditem num porvir mais humanizado e democrático, +e absolutamente necessária uma Lei ou seja o que seja, que LIMITE as vergonhosas REFORMAS POLITICAS. desta classe que se decadencia…sem vergonha e sem sensatêz…

– OS APOIOS SOCIAIS QUE OS POBRES E CLASSE MÉDIA TINHA, É A ISSO QUE CHAMAS INTERESSES INSTALADOS? NÃO CONHEÇO A TUA MÃE, RAZÃO PORQUE NÃO TE CHAMO GRANDE FILHO DA PUTA!

– E para moralizar ainda mais os cidadãos de Portugal, senhor ministro, acabem com o “aborto” desse acordo ortográfico.

– Não devia deixar-se entrar no eterno discurso da quezília que durante tanto tempo foi praticado pelo político de borra português, senhor ministro. Deixe lá isso, senhor ministro, aproveitem a crise para evoluírem mentalmente, foquem-se no que é fundamental e esqueçam o acessório. Só assim poderão levar o barco a bom porto. Depois, tirem para já daí as ideias de alguma vez irem receber grande aplauso pelo que está a ser feito em Portugal, porque toda a gente sabe que quem está a mandar em Portugal é a troika. Poupem os cidadãos a esse vexame, por favor. Continuem a navegar em “low profile” que é o que vos fica melhor. Não vai mal não senhor, mas não comecem já a estragar. No que respeita aos feriados, senhor ministro, eu se fosse ministro nas actuais circunstâncias nem sequer lhes mexia, pois não são o fundamental da produtividade do país. Aliás um país minimamente produtivo pode muito bem aguentar com eles. Não mexer neles é mostrar o mínimo de respeito pelos cidadãos deste país, é uma espécie de reboçado para quem tem de passar os próximos anos a enfrentar depressão e crise, e a aguentar com tudo isso depois do desfalque que os políticos e banqueiros e etc. deram nas finanças públicas. Há que manter o ânimo do povo pelo menos à tona de água, pelo que devia não mexer nos feriados.

– ENTÃO ESTE CROMO NÃO PARA DE DAR TIROS NOS PRÓPRIOS PÉS? FALA DE INTERESSES INSTALADOS MAS NÃO É DE LEVAR A SÉRIO, TAMBÉM O TEMOS QUE DESCULPAR POIS É CAPAZ DE COM A PRÓXIMIDADE DO NATAL ESTAR MAL DISPOSTO: ENTÃO OS INTERESSES INSTALADOS DO PSD NÃO HAVIAM. OLHE HAVIAM E ALGUNS NÃO FORAM NADA SÉRIOS, POR ISSO DEVIAM SER INSTALADOS NOS HOTÉIS DE GRADEAMENTO, FALO DO OLIVEIRA E COSTA DO ISALTINO, DO DIAS LOUREIRO E DO QUE FOI DAR UMA CONSULTA AO BRASIL À AMIGA DO FEITERA. FORA OUTROS MAIS QUE POR AÍ ANDAM. MAS NÃO SE ABORREÇA QUANDO CHEGAREM OS JULGAMENTOS NÃO HÁ PROVAS CNCLUDENTES, VEM TUDO PARA A RUA COM O RÓTULO DE BONS RAPAZES. E OS INTERESSES PESSOALMENTE INCOMODAM – ME POR ESTAVAM ESTÃO E IRÃO SEMPRE ESTAR COM OS GOVERNOS DO BAILE MANDADO. GOVERNAS TU DEPOIS GOVERNO EU.

– OH CARO ALVARO—————————–OS INTRESSES DO GRANDE CAPITAL E TUDO O QUE ENVOLVE————————–TAMBEM———– ————-HÁ MUITO QUE ESTAO INSTALADOS————————MAS PARA ESSAS ———————instalaçoes—————– –PARECE QUE AS—————— PALAS————————TOLDAM-LHE UMA VISAO MAIS———–PERIFERICA !

In Destak online
21 | 12 | 2011 20.32H
Destak/Lusa | destak@destak.pt

[aviso] – Dado que me encontro a cerca de NOVE DIAS (9), de encerrar este Blogue, deixarei de inserir as minhas notas nos artigos publicados. Em contrapartida, serão inseridos os comentários dos leitores dos respectivos órgãos de comunicação social, sempre que se justifique matéria para isso.[/aviso]

Urgências dos centros de saúde aumentam 163%


Taxas moderadoras das urgências dos centros de saúde aumentam de €3,80 para €10 já a partir de 1 de Janeiro, de acordo com a portaria hoje publicada.

Taxas moderadoras das urgências hospitalares vão passar a custar entre €15 e €20 # Tiago Miranda

As taxas moderadoras das urgências hospitalares vão passar a custar a cada utente entre €15 e €20 e as dos centros de saúde aumentam de €3,80 para €10, segundo uma portaria hoje publicada no Diário da República .

De acordo com a portaria, que entra em vigor a partir de 1 de Janeiro, acrescem a estes valores as taxas moderadoras por cada meio complementar de diagnóstico e terapêutica (MCDT) efectuado no âmbito da urgência, podendo o total chegar aos €50, mas nunca ultrapassá-lo.

Assim, o documento estipula para o serviço de urgência polivalente um aumento de €9,60 para e20 de taxa moderadora.

A urgência básica e a urgência médico-cirúrgica, que custavam €8,60, passam a custar €15 e €17,5, respectivamente.

A portaria das taxas moderadoras fixa ainda para o Serviço de Atendimento Permanente ou Prolongado (SAP) um valor de €10, o que representa um acréscimo de €6,20.

No âmbito das consultas, as de medicina geral e familiar, ou outra médica que não a de especialidade, os valores passam de €2,25 para €5.

As consultas de enfermagem, ou de outros profissionais de saúde, vão custar no próximo ano €4 nos cuidados de saúde primários e €5 nos hospitais, ao passo que as consultas de especialidade passam a ter um custo de €7,5.

A taxa moderadora para a consulta no domicílio (que inclui lares e instituições afins) passa de €4,80 para €10.

A consulta médica sem a presença do utente, que o documento salvaguarda ter de ser realizada sempre com o “consentimento informado” do doente, custará €3.

Uma sessão de hospital de dia terá um custo de taxa moderadora correspondente ao valor das taxas moderadoras aplicáveis aos atos complementares de diagnóstico e terapêutica realizados no decurso da sessão, neste caso até um valor máximo de €25.

O Governo define ainda uma tabela de valores para os MCDT, que vai desde um taxa moderadora de €0,35 para exames entre €1,10 e €1,49 até aos €50 para exames de valor igual ou superior a €500.

Segundo a revisão do memorando de entendimento da troika, a que a Lusa teve acesso, o executivo deverá encaixar €150 milhões de no próximo ano, com a alteração dos valores das taxas moderadoras.

In Diário de Notícias online
8:00 Quarta feira, 21 de Dezembro de 2011

E os burros somos nós!!!???

Segunda revisão do memorando da troika é “puro terrorismo social”


PCP

O PCP considerou hoje que a segunda revisão do memorando da ‘troika’ é “puro terrorismo social” e “mais um passo no rumo de desastre nacional que está a arrasar o país”.

“Tudo quanto vem escrito no documento ontem [quarta-feira] tornado público é puro terrorismo social, ao serviço dos grupos económicos e financeiros, que se acrescentará ao conjunto das inaceitáveis medidas inscritas no próximo Orçamento do Estado para 2012”, afirmou Vasco Cardoso, da Comissão Política do PCP, numa conferência de imprensa na sede do partido.

O dirigente comunista apontou a revisão do memorando de entendimento subscrito por PS, PSD e CDS-PP como “uma nova e insuportável ofensiva contra os mesmos de sempre”.

“Mais austeridade, mais exploração, mais empobrecimento e retrocesso social, mais um passo no rumo de desastre nacional que, a um ritmo vertiginoso, está a arrasar o país”, acrescentou.

Vasco Cardoso teceu críticas à “significativa desvalorização dos salários por via da liquidação da contratação colectiva” e à “brutal redução das indemnizações por despedimento para 8 a 12 dias por cada ano de trabalho e facilitação dos despedimentos com poder discricionário para o patronato”.

“A reunião do Conselho de Ministros do passado domingo foi uma enorme farsa em mangas de camisa para esconder esta revisão e agravamento do pacto de agressão (…) Nada, a não ser a opção pelos interesses do grande capital, justifica estas medidas”, considerou.

“Ora no Governo, ora na oposição, PS, PSD e CDS, com o apoio do actual Presidente da República, comportam-se como executantes de um programa antidemocrático e de traição nacional, a que urge por fim”, defendeu.

O comunista reforçou que “os trabalhadores e o povo português não só têm o direito de rejeitar, como de usar todos os direitos que a Constituição da República lhes consagra para impedir que a sua vida seja transformada num inferno”.

In Destak online
21 | 12 | 2011 13.15H
Destak/Lusa | destak@destak.pt

Utentes têm de pedir isenção de taxas


Paulo Macedo diz que os três milhões de portugueses que não estarão isentos terão de pagar, cada um, apenas mais 2,5 euros por mês.

Cidadãos terão de preencher formulário para as Finanças, que informarão os hospitais. Governo estima que 72% fiquem isentos

Os serviços do Ministério da Saúde não vão ter acesso a informação sobre os rendimentos dos utentes para decidir se estes estão isentos das taxas moderadoras por motivos económicos. Será a Direcção-Geral de Impostos (DGI) que irá analisar os requerimentos feitos pelos cidadãos e informar os hospitais e centros de saúde se estes estão em situação de insuficiência económica. Os serviços de saúde irão, assim, construir um registo nacional com os utentes isentos.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde (MS), e já enviados aos deputados, «estão nesta situação de insuficiência 5,2 milhões de portugueses», ou seja, mais 800.000 dos que os 4.400 que estavam isentos de acordo com as regras das taxas antigas.

Além destes 5,2 milhões há ainda mais dois milhões de portugueses isentos – entre grávidas, crianças até aos 12 anos, pessoas com incapacidade superior a 60%, entre outros (ver infografia). Isto é, 72% da população está abrangida por uma das formas de isenção. E foi isso mesmo explicou o ministro da Saúde no documento que enviou à Assembleia da República.

Também esta semana, nas declarações públicas que fez, Paulo Macedo não escondeu que considera a onda de contestação às taxas desproporcional ao seu aumento. E, naquele relatório, explica que a estimativa é arrecadar «mais 199 milhões de euros com as taxas, o que equivale a 19,79 euros a mais por residente por ano».

Mas, entretanto, Macedo emendou as contas e decidiu dividir os custos apenas pelos três milhões de portugueses que as vão pagar. Na quarta-feira, no final da tomada de posse do novo Conselho de Administração do Centro-hospitalar Leiria-Pombal, frisou que cada português terá de gastar mais 30 euros por ano, ou seja, 2,5 euros por mês.

A contribuir para o aumento de pessoas que não pagam está o elevado número de utentes incluídos na lista de isentos por carência financeira, devido à alteração dos cálculos. Agora, passam a ser isentos todos os que integrem agregados familiares cujo rendimento médio mensal, «dividido pelo número de pessoas a quem cabe a direcção do agregado», seja igual ou inferior a 628,83 euros.

Para ficarem isentos, os utentes terão de preencher já a partir de 1 de Janeiro um formulário – disponível nos hospitais, centros de saúde e na internet – com os números de utente, identificação fiscal e Segurança Social de todos os membros do agregado familiar. Esta informação será enviada para as Finanças, que a comunicará à Saúde.

Segundo o SOL apurou, a portaria da Saúde, Finanças e Segurança Social (que irá definir todo este procedimento e que será publicada em breve) fixa um prazo de dez dias para que a DGI dê a informação aos hospitais. Ou seja, caso o utente recorra aos serviços de saúde antes de ter entregue o formulário, terá de pagar a taxa, pois a resposta das Finanças só chega dez dias depois. Assim, só na segunda consulta o seu nome passará a constar como isento. «As pessoas devem preencher e entregar o formulário o mais rápido possível para que, quando necessitem de ir ao hospital, os serviços já tenham a resposta das Finanças», explica uma fonte ligada ao processo, acrescentando que há uma excepção para as pessoas que já estavam isentas no modelo anterior e que têm de confirmar essa condição.

O Governo permite que até 15 de Abril as isenções actuais permaneçam em vigor. A partir daí, caso o utente não tenha preenchido o papel, corre o risco de ter de pagar a taxa. Assim, o MS aconselha os que já estavam isentos a requerer nova isenção até 31 de Março.

In Jornal SOL online
19 de Dezembro, 2011
por Catarina Guerreiro
catarina.guerreiro@sol.pt

Governo prepara 2012 sob críticas cerradas


Conselho de ministros extraordinário

Ministros sem gravata à saída do conselho de ministros "informal"

Seguro reage duramente a entrevista de Passos e diz que só Governo “demissionário” mandaria emigrar; professores não poupam nas críticas e aconselham a ser o primeiro-ministro a deixar o País; distritais do PSD exigem fim da austeridade

Após dez horas a afinar a estratégia das reformas para um “ano difícil”, o conselho de ministros extraordinário de ontem, em Oeiras, acabou sem conclusões, como planeado. E enquanto os ministros se reuniam, na Figueira da Foz o líder da oposição ensaiava a resposta: António José Seguro acusou Passos Coelho de estar “apaixonado pela austeridade”.

Também a afirmação do primeiro-ministro, numa entrevista, de que emigrar é solução para evitar desemprego dos professores não ficou sem resposta, com o líder socialista a acusar Passos Coelho de estar “demissionário”, “passivo” e de “braços caídos”.

E para juntar às pressões sobre o Executivo, as distritais do PSD contestam agravamento da austeridade. Num almoço no Fundão, dirigentes sociais-democratas pediram ao Governo que comece a aplicar resultados dos sacrifícios.

In Diário de Notícias online
19/12/2011

Vai ser mais rápido e mais fácil despedir


Governo

O Conselho de Ministros reuniu para reflectir sobre as reformas que se seguem. Decorreu em pose descontraída e traje informal. Nem uma gravata se via no grupo de 11 ministros e dois secretários de Estado

Reforma da lei laboral considerada essencial facilita despedimentos.

»»»» alguns dos comentários do online:

– neste país entregue aos bichos promove-se e facilita-se o desemprego invés do emprego. Tá bonito tá. Ainda não vi UMA unica medida para promover a economia. O Coelho e os seus boys são um cancro em progressão.

– Olho para a foto e tenho arrepios, como é possível um País e a vida da população estar nas mãos desta gente? Eles decidem sobre a nossa vida e morte, entre risos, palmadinhas nas costas e olhadelas para o mar.

– Quando é que o povo despede este governo?. Gostava imenso de saber

– Para lixarem o povo, já nem usam gravata…é de qualquer maneira…!!!

– cultura e algo que não faz falta a este governo

– Ainda bem que vai ser mais fácil despedir já que eu e a maioria dos portugueses queremos despedir cada um desses 13 senhores.

In Correio da Manhã online
19/12/2011 | 01h00
Por:Paulo Pinto Mascarenhas/ Raquel Oliveira

Valor das reformas vai cair 50%


PEDRO PASSOS COELHO

Fotografia © Pedro Rocha / Global Imagens

O primeiro-ministro estima que quando atingir a idade da reforma o valor da sua pensão seja “sensivelmente metade” do que seria sem as alterações introduzidas pelo anterior Governo socialista no sistema de Segurança Social.

A estimativa de Pedro Passos Coelho consta de uma entrevista que será publicada este domingo pelo jornal Correio da Manhã.

Na entrevista, o primeiro-ministro, actualmente com 47 anos, foi questionado sobre que pensão espera receber quando chegar à idade de se aposentar e respondeu: “Sensivelmente metade daquela que existia antes de 2007. Talvez um pouco mais para todos aqueles que entraram na vida activa nos últimos dez anos, o que não é o meu caso, que entrei há bastante mais”.

Sobre o futuro do sistema de Segurança Social, Pedro Passos Coelho defendeu que o caminho passa pela introdução de “um pilar privado para efeitos de financiamento das reformas”, tendo como base a aplicação de um ‘plafond’ mais baixo às pensões a serem pagas pelo sistema público.

“Isso está inscrito no programa eleitoral do PSD” e “esse deve ser o caminho para o futuro. Isso acontece em outros países e acontece aqui ao lado em Espanha”, declarou na mesma entrevista.

Com esse novo sistema, de acordo com o líder do executivo, “qualquer que tenha sido a carreira contributiva, os pensionistas sabem que não obterão da Segurança Social uma pensão superior a um determinado valor e que, portanto, devem fazer aplicações (geridas ou não pelo Estado), de forma a terem uma pensão mais generosa do que está estabelecida”.

Pedro Passos Coelho admitiu que essa mudança no sistema de Segurança Social poderá vir a ser introduzida em Portugal, embora não a curto prazo. “Isso pode vir a acontecer, mas não está nas nossas intenções do curto prazo mexer nessa matéria”, advertiu.

Questionado se admite um aumento da reforma para os 67 anos, tal como acontece já actualmente em Espanha, o primeiro-ministro também a afastou esse cenário a curto prazo.

Pedro Passos Coelho apontou que a tendência europeia é a de aumentar o limite da idade da reforma, mas salientou que uma medida nesse sentido não está prevista no programa de assistência financeira a Portugal, que vigorará até 2013.

Interrogado se coloca a possibilidade de aumentar a idade da reforma depois de 2013, o primeiro-ministro respondeu: “Ninguém está em condições de falar no que vai acontecer daqui a três, quatro ou cinco anos”.

In Diário de Notícias online
17/12/2011
por Lusa

[aviso] – A mania destes gajos é continuarem a ir buscar exemplos ao estrangeiro, sempre que lhes interessa, menos para os exemplos dos ORDENADOS que se ganham nesses mesmos países! Quero lá saber do sistema de reformas que existem em Espanha, em França, na Alemanha ou em outros países europeus, se em Portugal o salário mínimo nacional e os salários médios dos trabalhadores são miseravelmente inferiores quando comparados com os desses países? BARDAMERDA! [/aviso]

E os burros somos nós!!!???

Passos: “Como dívidas são para pagar, acordos são para se cumprir”


Debate quinzenal

O primeiro-ministro afirmou esta sexta-feira que, “tal como as dívidas são para se pagar, os acordos são para se cumprir”, defendendo a inscrição no “direito primário” português da “regra de ouro” sobre o défice acordada no Conselho Europeu.

“Não podemos continuar de cimeira em cimeira anunciando compromissos que acabam por não ser cumpridos. Os acordos são para ser cumpridos e respeitados”, afirmou Pedro Passos Coelho, durante o debate quinzenal no Parlamento.

“Tal como as dívidas são para se pagar, os acordos são para se cumprir”, reforçou o primeiro-ministro, recebendo palmas das bancadas da maioria PSD/CDS-PP.

Passos Coelho argumentou que “a inscrição de uma regra de ouro a nível do tratado e do direito primário nacional corresponde ao reforço da credibilização dos compromissos assumidos nos pactos de estabilidade e crescimento, comprometendo grandes e pequenos países”.

Em seguida, Passos Coelho referiu que as negociações “para uma nova união orçamental de estabilidade “terão início “a muito breve trecho”, considerando que vão ser “complexas e difíceis”. Quanto à atitude do Governo nessas negociações, o primeiro-ministro acrescentou: “Não favoreço, em negociações desta natureza, uma diplomacia de megafone. Um decisor político não se deve comportar como um comentador. Como tenho afirmado, a Europa não precisa de cacofonia”.

In Correio da Manhã online
16/12/2011 | 11h08

[aviso]  – Pois é, ó aldrabão, realmente as dívidas são para pagar, os acordos para se cumprir… e as tuas promessas antes de ires ao pote? Tens cá uma lata pá! Consegues ainda ser pior que o que agora estás a acusar com as tuas demagogias de merda! Vai-te catar, sem vergonha! Já sinto NOJO só de olhar para a figura deste fedelho…[/aviso]

 

Então macacada...???

Saiba como ficar isento das taxas moderadoras


A partir do dia 1 de Janeiro as taxas que se pagam no acesso a consultas ou exames vão aumentar, em alguns casos, para o dobro. Mas serão menos aqueles que vão pagar mais. Veja se é um dos que fica isento. Se estiver entre os três milhões que continuarão a pagar, descubra o que vai mudar.

Actualmente estou isento, o que me vai acontecer a partir de 1 de Janeiro?
Se já está isento continuará a estar até ao dia 12 de Abril, mas até ao final de Março tem de entregar no centro de saúde documentação a comprovar a sua situação.

E se perder a isenção, vou ter de repor as verbas não pagas até à data?
Se após a entrega dos documentos se verificar que já não preenche os requisitos, terá de pagar pelos cuidados já usufruídos desde o início do ano, segundo fonte do Ministério da Saúde.

Não estou isento mas acho que, por via do rendimento, posso vir a estar. O que devo fazer?
Se acha que, por razões de insuficiência económica, tem direito a cuidados de saúde gratuitos, terá de requerer essa isenção preenchendo um documento no centro de saúde ou via internet com os seus dados pessoais (número de utente, número da Segurança Social, número de contribuinte, data de nascimento, morada e telefone). Esse requerimento é enviado depois para o Fisco que em 10 dias terá de confirmar se a pessoa tem ou não direito a isenção e comunicá-lo ao centro de saúde. O período de insuficiência económica caduca a 30 de Setembro de cada ano, altura em que a condição terá de ser reavaliada.

Há outras novas isenções?
Sim. Se tiver um grau de incapacidade igual ou superior a 60% também terá direito a saúde gratuita. Basta entregar junto do centro de saúde, a cada ano civil, o atestado de incapacidade multiuso que lhe é passado pelo delegado de saúde.

Sou dador. Continuarei isento?
Se é dador benévolo de sangue ou de células, tecidos e órgãos continuará isento mas apenas nos centros de saúde. Deixará de estar isento nos hospitais. O mesmo se aplica aos bombeiros.

Em que condições terei então direito a isenção?
Estão isentas grávidas e parturientes, crianças até aos 12 anos, utentes com grau de incapacidade igual ou superior a 60%, dadores benévolos de sangue e de células, tecidos e órgãos bem como bombeiros (só nos centros de saúde), transplantados, militares e ex-militares das forças armadas incapacitados. Além disso todos os doentes crónicos continuarão isentos, mas apenas nas consultas e exames relacionados com a sua doença. Têm ainda direito a isenção os membros dos agregados familiares com rendimentos inferiores a 628 euros per capita por mês.

Se não tiver isenção, quanto vou pagar a partir de 1 de Janeiro?
Se for um dos três milhões de portugueses que terá de pagar pelos cuidados de saúde, a factura vai passar de 9,60 para 20 euros nas urgências hospitalares polivalentes e de 2,25 para cinco euros na consulta do centro de saúde. Os restantes valores só se saberão quando a portaria for publicada, o que deverá acontecer até ao início da próxima semana.

Se não pagar, o que me acontece?
Se não pagar é atendido na mesma, mas dão-lhe um recibo com o valor em dívida para liquidar dentro de 15 dias, que já é prática corrente em alguns hospitais. Caso não pague o recibo até à data limite, recebe outro aviso que lhe dá mais dez dias para liquidar a despesa. Se ainda assim insistir em não pagar, o Fisco intervém e cobrar-lhe-á o valor das taxas em dívida e uma multa que corresponderá a cinco vezes o valor da taxa em falta, nunca inferior a 50 euros.

Poderei deduzir as despesas com saúde?
Sim, mas 2012 vai ser o último ano em que poderá reaver 30% da despesa total em saúde durante 2011. No IRS que entregar em 2013, relativo a 2012, já só será reembolsado em 10% das despesas de saúde, com um tecto, por agregado, de 891 euros.

In Jornal Negócios online
15 Dezembro 2011 | 17:15
Marlene Carriço – marlenecarrico@negocios.pt

Julho 2017
S T Q Q S S D
« Jun    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Sondagem

REVISÃO DE TEXTOS



Todos os textos aqui inseridos, são corrigidos para a Língua Portuguesa de antes do acordo ortográfico.

Mentiroso…!!!

visitas

Map

visitas desde 17/08/2011

artigos interessantes…

... não só pelos conteúdos, como pelos comentários que demonstram o que esta canalha política no poder (e não só) merece da maioria dos portugueses...

- Diário de Notícias: Cavaco sublinha importância da coesão nacional

- Diário de Notícias: Electricidade da Madeira desmente novo 'buraco'

- Expresso: Jardim diz que não se arrepende do endividamento

Os responsáveis pela derrocada de Portugal

Mário Soares - 9 de Junho de 1983 - 6 de Novembro de 1985

Cavaco Silva - 6 de Novembro de 1985 - 28 de Outubro de 1995

António Guterres - 28 de Outubro de 1995 - 6 de Abril de 2002

Durão Barroso - 6 de Abril de 2002 - 17 de Julho de 2004

Santana Lopes - 17 de Julho de 2004 - 12 de Março de 2005

José Sócrates - 12 de Março de 2005 - 21 de Junho de 2011

Passos Coelho - desde 21 de Junho de 2011

promessas do passado…

C E N S U R A

A partir desta data e tal como já foi exercido com outro online, este Blogue deixará de inserir notícias publicadas no Correio da Manhã online, dado que ontem foram deixados 3 comentários naquele online que não foram publicados e que se encontravam completamente dentro das regras exigidas pelo jornal nesta matéria.

Notícias Bravas
12.09.2011

salários mínimos na Europa

Bulgária € 123,00
Roménia € 153,00
Polónia € 281,00
PORTUGAL € 525,00
Grécia € 628,00
Espanha € 728,00
Reino Unido € 1.010,00
França € 1.321,00
Bélgica € 1.387,00
Irlanda € 1.462,00
Luxemburgo € 1.642,00

valores calculados sobre 14 meses
(incluem férias e 13º. mês)

E já que falam tanto em colocar Portugal ao mesmo nível dos países da UE, esqueceram-se da igualdade do salário mínimo?

Portugal fora da U.E.

frases ao acaso…

- Impressionante como Portugal não apresenta novos quadros na política e no seu grande empresariado. Onde estão os jovens portugueses? Ouvir um mesmo Cavaco e Silva há mais de três décadas é dose. Um Mário Soares, um Ramalho Eanes (esse ainda está vivo?), é brincadeira. Juventude lusitana assumam logo seu país antes que esses incompetentes o levem à derrocada total. Vejo diariamente a SIC e fico impressionado com o quadro político que se apresenta do continente à Madeira e Açores. Os comentários intermináveis e inócuos no programa "Quadratura do Círculo". O nome diz tudo: Umas bestas quadradas vociferando asneiras em círculo que não levam a lugar algum. Triste ver a nação de Camões, da Escola de Sagres, da Universidade de Coimbra acabar assim.

- Este Governo age como autêntico capataz da Srª. Merkel e Sr. Sarkozy. É o próprio Governo a dizer que os Portugueses têm que fazer sacrifícios, tem que ir para além da troika, para a Srª Merkel e o Sr. Sarkozy ficarem satisfeitos. E para agradar aos olhos daquelas duas personagens, este Governo submete os Portugueses a uma política que não leva a lado nenhum se o objectivo é pagar a dívida. Mas como o que interessa é o sorriso das tais personagens, este Governo optou por medidas de fazer sangue e quando o faz há quem corra para junto de Merkel e de Sarkosy a perguntar se está bem assim ou querem com mais sangue? São pacotes de austeridade atrás de pacotes de austeridade, são impostos directos acompanhados com cortes de vencimentos e como ainda acham,o Governo, que os Portugueses ainda ficam com uns trocos para matar a fome lá vêm com impostos indirectos... O simples cidadão está ensanduichado e sufocado em impostos...
O que este Governo condenou o anterior está a fazer ainda pior e sem se importar com políticas sociais e económicas... O que interessa a este Governo é que Merkel sorria de satisfação, bata palmas a este espectáculo de circo romano onde os Portugueses foram atirados às feras. O Governo fica sempre satisfeito com o seu desempenho quando Merkel bate palmas!!!!
Não temos um Governo inovador para contornar a crise ao serviço dos Portugueses, temos sim um capataz/carrasco ao serviço de quem lhes passa as mãos pelas costas!

- O povo português não é todo estúpido, subserviente e ignorante, temos de calar esta gente sem escrúpulos que manda trabalhar e nada faz pelo país, gente vendida ao capitalismo internacional. A paciência tem limites e o desespero já começa a fazer comichão nas palmas das mãos, prontas para distribuir chapada por esta gentalha miserável e oportunista que reduziu uma nação soberana a uma coutada de meia dúzia de atiradores furtivos que gosta de gozar com a cara de quem ainda acredita no seu país. O melhor é mudarem de discurso senão tudo pode acontecer e os responsáveis por isso terão de fazer as malas e bater com os calcanhares no traseiro.

- Num País de aldrabões e corruptos, nada é demais!!... Vale tudo, até tirar olhos!!! Fazem o que querem e o Povo consente!!! Aqui é que está o mal!!... É o Povo consentir toda esta bagunça e esperar pelo dia D, da sua desgraça!!! Mas, alguma vez existe alguma legislação ou Lei ou seja lá o quê, credível neste País!!! Só nos resta a natureza que essa mão falha!!! Para o ano, serão também taxados os Subsídios de Férias e de Natal, até nos levarem à depressão e ao suicídio!!! Só a INSURREIÇÃO será a solução, nada mais!!! E O POVO PÁ!!!!

- "Portugal é hoje um paraíso criminal onde alguns inocentes imbecis se levantam para ir trabalhar, recebendo por isso dinheiro que depois lhes é roubado pelos criminosos e ajuda a pagar ordenados aos iluminados que bolsam certas leis".

- Farto deste sistema de merda que nos engole
Farto destes políticos a coçar os colhões ao sol
Farto de promessas da treta
Sobem ao poder metem as promessas na gaveta
Farto de ver o país parado como uma lesma
Ver as moscas mudarem e a merda ser a mesma
Farto de miséria, o povo na pobreza
Uns deitam a comida fora, outros não a têm à mesa
Farto de rótulos, estigmas e preconceitos
Abrir os olhos e ver que não temos os mesmos direitos
Farto de mentiras, farto de tentar acreditar
Farto de esperar sem ver nada a melhorar
Farto de ser a carta fora do baralho
Farto destes cabrões neste sistema do caralho
Não te iludas ninguém quer saber de ti
Todos falam da crise mas nem todos a sentem
Muitos com razão, mas muitos deles apenas mentem
Crimes camuflados durante anos a fio
Tavam lá todos eles mas ninguém viu
Não foi ninguém, ninguém fez nada,
E se por acaso perguntarem ninguém diz nada
Farto de ver intocáveis saírem impunes
Dizem que a justiça é para todos mas muitos são imunes
Dois pesos, duas medidas
Fazem o que fazem, seguem com as suas vidas
Para o povo não há facilidades
E os verdadeiros criminosos do lado errado das grades
Boss AC

- O povo português, mesmo com todos os seus defeitos e manias, não merece estar à mercê de uma classe política que só se importa consigo própria.
100editora.net

- Marinho Pinto é tipo ciclone... nunca se sabe que rumo e intensidade toma... Às vezes diz umas verdades...outras burrega em toda a linha. Perdeu na sua defesa do pagamento das defesas oficiosas. Os Advogados metiam "mesmo" a mão na massa, como a ministra já provou, como se verifica pela quantidade de casos descobertos. Agora Marinho ameaça , numa reacção pouco civilizada e imodesta. É o que temos neste país... Marinhos Pintos e João Albertos....

Jardim pede independência da Madeira - Há pouco mais de 5 séculos 2 intrépidos navegadores,João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, cobriram de glória o nome de Portugal, abrindo as portas à grande epopeia dos Descobrimentos Portugueses. Contrariamente ao que diz o apátrida Jardim, atraiçoando a memória destes grandes portugueses, a Madeira nunca foi COLONIZADA, por ser um arquipélago sem ocupação humana, à data da descoberta.
Esta última e miserável declaração desta ingrata personagem conduz-nos a uma situação sem retorno e exige a realização de um REFERENDO que nos permita saber se os portugueses da Madeira querem manter a sua condição de PORTUGUESES – com todas as obrigações e direitos –ou se, pelo contrário, querem embarcar num navio à deriva, que rapidamente afundará, conduzido por um rasca aprendiz de marinheiro que condenará a população da Madeira a um futuro pouco risonho.

- No exterior são muitas as vozes - Martin Feldstein, George Soros são dois exemplos - que consideram provável que Portugal acabe por sair do euro pelo seu pé, uma vez que não terá condições de aguentar tanta austeridade ou de crescer com as regras do euro, orientadas para economias fortes. Esta semana, em entrevista à SIC, o economista João Ferreira do Amaral - crítico da entrada de Portugal no euro - apontava que vista de fora, sem o envolvimento com o país, a situação insustentável seria fácil de observar.

- Chamar merceeiros a estes "gestores/economistas" de pacotilha, é ofender seriamente os verdadeiros merceeiros...

- Hoje não há uma notícia que nos deixe reconfortados e o problema é só um: o mundo neoliberal em que nós mergulhámos deixou-nos neste estado de pura desgraça. Cavaco começou esta pouca vergonha em Portugal: ele o timoneiro e os seus comparsas. Gente sem categoria nenhuma pouco cultos sem inteligência que vieram dos montes para singrarem na cidade e na política onde se consegue um bom emprego a não fazer nada e depois conseguir-se um grande lugar numa empresa ou em várias. É uma alegria: pessoas com 5 e 6 reformas. Eu sei. Dinheiro muito dinheiro da CEE mal gerido e desperdiçado nas mãos de gente nada séria.Uma máfia. BPN, BPP, MADEIRA. Os portugueses a pagarem as vigarices do homem que quer passar a imagem de honesto mas que a mim nunca me enganou.

- O 25 de Abril tem sido um paraíso fiscal para estes políticos Gatunos que deixam as famílias portuguesas falidas e eles Milionários...!!!

- Votar, em Portugal, já não é democrático, é consentir que o crime de corrupção prolifere sem limite. Podemos travá-los? Sim...
Sem o teu voto, eles não são nada!

- "O País entrou no bloco operatório para fazer uma lipoaspiração e, devido a um erro clínico, saiu de lá sem um rim e com um braço a menos"

- Paulo Macedo, esse grande herói da Direcção-Geral dos Impostos, com vasto currículo na Saúde, quer, por exemplo, economizar nos transplantes. Muito bem. Toda a gente sabe que essas operações são meros caprichos e que, frequentemente, as listas de cirurgia estão cheias de utentes que querem mudar de fígado só porque o que tinham estava fora de moda.

- O ministro também anunciou que o Estado deixará de comparticipar a pílula, sem dúvida uma excelente maneira de combater o aborto. O mesmo caminho segue a vacina contra o cancro do colo do útero e os medicamentos para asmáticos, esses malandros que querem respirar à borla.

- Com menos portugueses e mais asfixiados, certamente o Estado terá menos despesas. Confirma-se: não há vida além do défice.

Porque é que as dívidas de particulares aumentam?

Existem por aí uns economistas de capoeira, a mandarem bitaites sobre os "calotes" que as famílias pregam à banca e às "sociedades financeiras" que designo de "mercearias de dinheiro fácil" sem terem em linha de conta, na maioria dos casos, do porquê de tal situação.
O Dr. Paulo Morais em meia dúzia de frases, sintetizou os porquês dessa situação e eles são, principalmente:

- Ganância irresponsável de uma Banca usurária.
- Quando se vulgarizaram, o crédito ao consumo e os empréstimos pessoais pareciam uma solução fácil. Um embuste colossal.
- As empresas de crédito ao consumo lançaram milhões num inferno. Prometiam taxas de juro que eram já de si elevadas. Mas a estas acresceram comissões, seguros, impostos e outros assaltos. Obrigam assim os clientes ao pagamento de taxas anuais efectivas de encargos (a famosa TAEG) de quase 30 por cento. Em famílias de escassos recursos, estes empréstimos provocaram a insolvência.
- Ao longo de anos, as autoridades de supervisão bancária nada fizeram. Sucessivos governos deixaram os consumidores de produtos financeiros à mercê das verdadeiras sanguessugas que são as sociedades financeiras de “apoio” (?!) ao consumo e de concessão de crédito pessoal.
- Há que tentar perceber a ausência de intervenção do Banco de Portugal e até a inércia do Ministério Público, incompreensível, uma vez que a usura em Portugal constitui crime. De seguida, baixar compulsivamente as taxas, repondo a equidade.

Nem o Banco de Portugal, nem o Ministério Público, nem os (des)governos, todos eles, em conjunto, alguma vez puseram cobro a esta USURA que, como Paulo Morais diz, constitui CRIME em Portugal.

A.C.A.M.

União de Doentes com Cancro em risco de fechar

A União Humanitária dos Doentes com Cancro (UHDC) anunciou hoje que corre o risco de encerrar devido à redução de donativos e apela às dádivas dos portugueses para poder continuar a apoiar estes doentes e os seus familiares.
Em comunicado enviado à agência Lusa, a UHDC refere que, "devido à crise e consequente drástica redução de donativos", está a "passar por graves dificuldades económicas".
Nas contas da UHDC está já com um saldo negativo de 27 mil euros, relativo a 31 de Agosto, valor que a organização precisa reunir até final do ano, "de modo a garantir o pagamento de salários e a prossecução de todas as suas actividades de apoio a doentes com cancro e seus familiares, nomeadamente, a Linha Contra o Cancro e o Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico".
A União Humanitária dos Doentes com Cancro apela aos contributos da população (empresas e particulares), disponibilizando a conta da organização no Montepio com o NIB: 0036 0216 99100077363 22.
Esta associação - que tem como primeiro objectivo apoiar os doentes com cancro e seus familiares, mediante a prestação de diversas valências de apoio, inteiramente gratuitas - promove anualmente uma campanha de angariação de fundos, de modo a garantir a sua sustentabilidade, tendo registado este ano uma redução de cerca de 30 mil euros face à campanha do ano passado.
Esta redução de fundos "coloca em causa a sobrevivência da associação", lê-se no comunicado.

inquérito Diário Digital

Inquérito JN 500 euros aos alunos

Inquérito JN sobtre quebra de proditividade

Inquérito JN – Taxa para financiar bombeiros

Inquérito J.N. desvio contas Madeira

aldrabices de algibeira

"Ninguém nos verá no Governo a impor sacrifícios aos que mais precisam apenas para fazer de conta que está tudo bem, se as coisas não estiverem bem, nós teremos de dizer que aqueles que têm mais, têm de ajudar mais os que têm menos em Portugal".
Passos Coelho
In JN de 2011-06-01

"A Grécia pediu ajuda e falhou. E sabem o que é que pode acontecer? Pode não haver mais ajuda externa. Não é a Europa que pode estar em causa com o Euro. São os gregos que podem ficar de fora da Europa e podem sofrer o que não é justo que sofram", disse, num paralelo com o que pode vir a acontecer a Portugal, se não houver um Governo "forte e coeso".
"Nós não podemos ter um Governo que faça de conta, que minta".
"Não percam tempo com quem já sabe que fracassa, dêem força a quem pode ganhar Portugal", pediu, apelando a que, numa "altura histórica" como a que Portugal vive, os portugueses não votem num Governo que "pode deitar tudo a perder".
Para além de ter dito: GOVERNAR PORTUGAL É IR AO POTE!
Passos Coelho
In JN de 2011-05-29

“O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, garantiu hoje que, se ganhar as eleições, “não vai mexer nas taxas de IVA” e que pretende recolher mais dinheiro dos impostos “alargando a base”. “Eu já tive ocasião de dizer que o PSD, e eu próprio, não vamos mexer naquilo que são as taxas de IVA que estão previstas, nomeadamente no acordo que foi estabelecido com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional. Nós vamos ter de recolher mais dinheiro dos impostos alargando a base, que não aumentando ou agravando as taxas do imposto”, disse.”<
Passos Coelho falava numa acção de campanha em Valença do Minho, durante a qual ouviu as preocupações dos comerciantes e dos autarcas locais sobre a disparidade já existente entre o IVA em Portugal e em Espanha.”
In LUSA/SOL 30 de Maio de 2011

A 01.Abr.2011, Passos Coelho GARANTIU a uma aluna de uma escola de Vila Franca de Xira que NÃO IRIA MEXER NO SUBSÍDIO DE NATAL 2011...!!!

C A R R I S

15% de aumento nos títulos de transporte resultaram na continuidade dos maus serviços prestados aos utentes!
Equipamentos de ar condicionado, em pleno Agosto, com temperaturas exteriores mais frescas que dentro das viaturas porque o AC está DESLIGADO! 80% dos motoristas devem ser alérgicos ao AC pois pela janelinha do lado deles entra corrente de ar, ao passo que os que pagam o seu título de transporte vão numa de sauna forçada!
E como isto é um País de mansos, onde ninguém protesta, a estória continua diariamente... E não esqueçam, seus pategos, que em Janeiro está previsto novo aumento de tarifário...!

arquivo

Blog Stats

  • 178,589 hits

top de classificação

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 24 outros seguidores

autores

Flickr Photos